Porto Alegre, sexta-feira, 04 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 04 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 09h55min, 04/09/2020.

Primeiros resultados indicam que vacina russa é segura, revela The Lancet

Estudo foi publicado nesta sexta-feira

Estudo foi publicado nesta sexta-feira


Dmitry KURAKIN/Ministério da Saúde da Rússia/AFP/JC
Um artigo publicado na revista científica britânica The Lancet revelou que os primeiros estudos acerca da vacina russa contra a Covid-19 foram promissores. Após o anúncio inesperado de Vladimir Putin, as incertezas em relação à eficácia da vacina tomaram conta.
Um artigo publicado na revista científica britânica The Lancet revelou que os primeiros estudos acerca da vacina russa contra a Covid-19 foram promissores. Após o anúncio inesperado de Vladimir Putin, as incertezas em relação à eficácia da vacina tomaram conta.
Publicado nesta sexta-feira (4), o artigo aponta que "os resultados preliminares indicaram segurança e uma indução da resposta imunológica do organismo", um dos princípios básicos de uma vacina. O estudo foi realizado com homens e mulheres saudáveis e em idade adulta.
O diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, avaliou nesta sexta-feira que a potencial vacina russa, chamada Sputnik V, pode ser categorizada como candidata. "A vacina russa agora pode ser categorizada como candidata, é a 8ª vacina entrando em fase 3", disse em entrevista à GloboNews, citando as possíveis vacinas produzidas pela Universidade de Oxford e pelas empresas chinesas Sinovac e CanSino como outros exemplos que estão na terceira fase de estudos clínicos.
O estudo na The Lancet diz que a Sputnik V é segura e foi capaz de criar anticorpos contra o novo coronavírus. Kfouri explicou que o estudo que reuniu as fases 1 e 2 concluído na Rússia credencia agora a Sputnik V para testes mais avançados, de fase 3, que vão medir a eficácia do potencial imunizante. Sobre o tempo de imunização que a Sputnik V pode oferecer, Kfouri afirmou que é improvável que os cientistas russos conseguirão essa informação em tempo hábil para a eventual aprovação da vacina. "Vamos licenciar vacinas nesse cenário de pandemia sem todas as informações completas, uma delas é essa período de imunização. Para preencher todos as informações que precisamos, esperaríamos 4, 5 anos", acrescentou.
Kfouri ainda disse que a vacina russa apresenta uma diferença em relação às outras candidatas contra o novo coronavírus que utilizam o método de vetor - nesta técnica, é injetado no corpo humano uma pequena quantidade de um vírus para que o sistema imunológico crie anticorpos contra o organismo intruso. Segundo o especialista, a Sputnik V usa dois vírus diferentes como vetores, um em cada dose. A estratégia é diferente, por exemplo, da adotada por Oxford, que usa um único vírus como vetor nas duas doses da vacina.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO