Porto Alegre, quarta-feira, 29 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 29 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

coronavírus

Atualizada em 19h39min, 29/07/2020.

Doenças cardíacas e diabetes são principais comorbidades entre vítimas de Porto Alegre

Doenças foram verificadas em quase a totalidade das 292 vítimas fatais até segunda-feira

Doenças foram verificadas em quase a totalidade das 292 vítimas fatais até segunda-feira


MAURO PIMENTEL/AFP/JC
Doenças cardiovasculares e diabetes foram as principais comorbidades entre os porto-alegrenses que foram a óbito após a confirmação de Covid-19. As doenças foram verificadas em quase a totalidade das 292 vítimas fatais pela doença registrados até segunda-feira (27). Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, as doenças cardiovasculares prévias foram registradas em 173 casos. Já a diabetes alcançou 109 registros.
Doenças cardiovasculares e diabetes foram as principais comorbidades entre os porto-alegrenses que foram a óbito após a confirmação de Covid-19. As doenças foram verificadas em quase a totalidade das 292 vítimas fatais pela doença registrados até segunda-feira (27). Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, as doenças cardiovasculares prévias foram registradas em 173 casos. Já a diabetes alcançou 109 registros.
Na sequência, foram registrados pneumopatias (66), doenças neurológicas (63), imunodepressão (48) e neoplasias (48), doença renal crônica (38), obesidade (22), tabagismo ou ex-tabagismo (17), paciente acamado ou institucionalizado (15), hipotireoidismo (13), doença hepática (11), acidente vascular encefálico (10), transtornos mentais (8), doença hematológica (7), dislipidemia (7), e demência (6).
A pasta alerta que os números podem significar ocorrência de mais de uma condição prévia associada em um mesmo caso. Nenhuma condição prévia foi registrada em 18 pacientes, e outras condições foram observadas em 17 casos evoluídos a óbitos após confirmação de Covid-19.
A faixa etária dos pacientes também foi analisada. Dos 292 óbitos, 137 pessoas tinham entre 60 e 80 anos; 105, mais de 80 anos; 41 tinham entre 41 e 59 anos; sete entre 30 e 40 anos; e dois tinham menos de 30 anos. O paciente mais jovem faleceu aos 18 anos; o mais velho, aos 105.
Comentários CORRIGIR TEXTO