Porto Alegre, sexta-feira, 22 de maio de 2020.
Dia do Apicultor.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 22 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Transporte

Notícia da edição impressa de 22/05/2020. Alterada em 21/05 às 21h17min

Taxistas da Capital relatam dificuldades financeiras por conta da pandemia

Alguns profissionais estão tirando, no máximo, R$ 90,00 por dia

Alguns profissionais estão tirando, no máximo, R$ 90,00 por dia


/MARCO QUINTANA/JC
Yasmim Girardi
Os taxistas de Porto Alegre e da Região Metropolitana notaram uma redução significativa no número de passageiros desde o início da pandemia. Antes, o modelo de transporte, que já não era mais tão popular por conta da criação de aplicativos como Uber, Cabify e 99Pop, por exemplo, já enfrentava dificuldades. Alguns dos profissionais que não fazem parte de nenhum grupo de risco e continuam trabalhando apontam que suas receitas diminuíram pela metade.
Os taxistas de Porto Alegre e da Região Metropolitana notaram uma redução significativa no número de passageiros desde o início da pandemia. Antes, o modelo de transporte, que já não era mais tão popular por conta da criação de aplicativos como Uber, Cabify e 99Pop, por exemplo, já enfrentava dificuldades. Alguns dos profissionais que não fazem parte de nenhum grupo de risco e continuam trabalhando apontam que suas receitas diminuíram pela metade.
"Antes da pandemia, eu fazia entre R$ 200,00 e R$ 250,00 por dia. Agora, tem dias que fico das 6h às 22h trabalhando e faço R$ 80,00 ou R$ 90,00", afirma Edson Teixeira, taxista no ponto do Hospital Nossa Senhora da Conceição, na Capital. Segundo ele, o fluxo de passageiros diminuiu muito porque, além das recomendações para isolamento social, o hospital reduziu o número de visitas e, muitos profissionais da saúde que usam táxi, não estão trabalhando.
Assim como ele, Everton Roberto dos Santos também teve o número de passageiros reduzidos pela metade. "Mas as contas continuam chegando, tenho família e um filho de 2 anos e meio para sustentar. A situação está complicada." Everton não conseguiu ter o Auxílio Emergencial do Governo Federal aprovado, e Edson Teixeira ainda espera a aprovação do seu.
Segundo o presidente do Sindicato de Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), Luiz Nozari, poucos taxistas conseguiram receber os R$ 600,00 de auxílio do governo federal. "Os taxistas, mesmo um que seja auxiliar, normalmente têm declaração de imposto de renda acima de R$ 28 mil. É difícil um taxista ter a renda mensal abaixo do que é exigido pelo governo", afirma. Ainda assim, ele relata que dezenas de profissionais do sindicato estão com dificuldades financeiras.
A Cooperativa dos Proprietários de Táxi da Região Metropolitana de Porto Alegre (Cooptaxi), há mais de 30 anos em atividade, também relata dificuldades. "A média mensal é de 100 carros, mas, com a pandemia, hoje não temos nem 30 carros trabalhando", afirma um dos diretores, Geraldo Azevedo. Por ser do grupo de risco, Azevedo não está trabalhando e enfrenta dificuldades, uma vez que só conta com o salário da Cooptaxi.
No início de abril, o Sintáxi enviou um ofício à prefeitura de Porto Alegre pedindo alguma espécie de auxílio para os taxistas que passam dificuldade. O presidente relata que não houve resposta e, por isso, o sindicato uniu forças com outras instituições particulares para poder ajudar os profissionais mais necessitados com doações.
Comentários