Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Governo Federal

- Publicada em 22h27min, 08/04/2020.

Bolsonaro cita 'parcial' de estudo sobre cloroquina que ainda recrutará pacientes

Estudo sobre eficácia de medicamento ainda teria que recrutar pacientes

Estudo sobre eficácia de medicamento ainda teria que recrutar pacientes


CAROLINA ANTUNES/PR/JC
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender nesta quarta-feira (8), o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19 e sugeriu que pode ser divulgado, nos próximos dias, o resultado parcial de um estudo - que ainda vai recrutar pacientes - sobre a eficácia do medicamento.
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender nesta quarta-feira (8), o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19 e sugeriu que pode ser divulgado, nos próximos dias, o resultado parcial de um estudo - que ainda vai recrutar pacientes - sobre a eficácia do medicamento.
"Me parece que talvez amanhã ou depois, o Einstein dê uma parcial das pessoas que estão sendo tratadas lá pela cloroquina", afirmou o mandatário em entrevista ao apresentador de TV José Luiz Datena. Procurado pela reportagem, o Hospital Israelita Albert Einstein informou que coordena uma pesquisa já em andamento sobre o tema, mas que ainda não há previsão de quando ela será concluída.
A instituição também divulgou nota pública nesta quarta em que explica que o estudo "envolverá cerca de 70 hospitais de todas as regiões do Brasil".
"A coalizão Covid Brasil, composta por várias organizações, entre elas o Hospital Israelita Albert Einstein, o HCor, o Hospital Sírio Libanês, a Rede Brasileira de Pesquisa em UTI (BricNet), o Hospital Moinhos de Vento e a Beneficência Portuguesa de São Paulo, conta com um estudo em andamento cujo objetivo é testar a eficácia da hidroxicloroquina contra a covid-19", diz o texto.
A pesquisa contará com 630 pacientes que apresentam um nível moderado da doença, 440 pacientes graves - que já estão em UTI ou Semi-Intensiva, com indícios de desconforto ou de insuficiência respiratória - e outros 290 pacientes de extrema gravidade.
"O recrutamento de pacientes começa em breve", diz a nota. Perguntada se existe a previsão de entrega de um resultado parcial para o governo nos próximos dias, a assessoria do Einstein não respondeu até a publicação desta reportagem.
Leia a íntegra da nota do Hospital Israelita Albert Einstein:
São Paulo, 08 de abril de 2020 - A coalizão Covid Brasil, composta por várias organizações, entre elas o Hospital Israelita Albert Einstein, o HCor, o Hospital Sírio Libanês, a Rede Brasileira de Pesquisa em UTI (BricNet), o Hospital Moinhos de Vento e a Beneficência Portuguesa de São Paulo, conta com um estudo em andamento cujo objetivo é testar a eficácia da hidroxicloroquina contra a Covid-19.
Coordenado pelo Hospital Israelita Albert Einstein, o estudo envolverá cerca de 70 hospitais de todas as regiões do Brasil e testará tanto o funcionamento da hidroxicloroquina sozinha quanto a sua associação com a azitromicina na comparação com o tratamento padrão da doença, que é o de suporte hospitalar em pacientes com o nível moderado da doença.
A pesquisa será dividida em três grupos. O primeiro grupo envolverá 630 pacientes e será formado por pacientes com nível moderado da doença, sem sintomas expressivos e graves, mas que se encontram internados em unidades de semi-intensiva e UTI.
O segundo grupo será formado por 440 pacientes graves que já estão em UTI ou Semi-Intensiva, com indícios de desconforto ou de insuficiência respiratória. Nesta população, será testado se dar azitromicina com hidroxicloroquina tem resultado superior ao uso de somente a hidroxicloroquina.
Já no terceiro grupo, formado por 290 pacientes de extrema gravidade e com a Síndrome de Angústia Respiratória Aguda (SARA), será avaliado o uso de corticosteroides (terapia antiinflamatória potente) na redução dos dias de ventilação mecânica e de mortalidade entre esses pacientes.
Os três grupos serão simultâneos e toda a parte preparatória desses projetos, como as aprovações, foram completadas com agilidade. O recrutamento de pacientes começa em breve.
Já em relação à administração da hidroxicloroquina no tratamento a pacientes com o novo coronavírus, o Hospital Israelita Albert Einstein utiliza, para casos graves, a hidroxicloroquina isolada ou em associação com azitromicina.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO