Porto Alegre, domingo, 05 de abril de 2020.
Dia dos Fabricantes de Materiais de Construção.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, domingo, 05 de abril de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Varejo

05/04/2020 - 19h44min. Alterada em 05/04 às 20h10min

Engenheira cria telefeira para ajudar pais produtores e projeto expande em duas semanas

Kit de hortifrutigranjeiros conta com produtos de sete produtores gaúchos

Kit de hortifrutigranjeiros conta com produtos de sete produtores gaúchos


Divulgação arquivo pessoal
Adriana Lampert
A ideia de criar um serviço de entrega de kits de hortifrutigranjeiros a partir da queda da renda da família tem gerado uma série de sentimentos na engenheira civil Nilana Negreiros Mitida, 26 anos. Preocupada com o negócio dos pais, Joana Maria Negreiros Mitida e Nilo Hiroyuki Mitida, ela tomou a iniciativa há duas semanas, e já conta com uma demanda que vai além da capacidade da semanal. “Estou muito feliz porque deu certo, e esperançosa de poder ajudar muitas pessoas, além dos meus pais. Em vista do isolamento social adotado pelo Estado e o Município para o combate da disseminação do Covid-19, muitas pessoas sequer podem sair de casa, a exemplo de adultos com mais de 60 anos”, argumenta Nilana. Segundo ela, o projeto está ganhando corpo e já conta com outros seis agricultores no fornecimento dos produtos.
A ideia de criar um serviço de entrega de kits de hortifrutigranjeiros a partir da queda da renda da família tem gerado uma série de sentimentos na engenheira civil Nilana Negreiros Mitida, 26 anos. Preocupada com o negócio dos pais, Joana Maria Negreiros Mitida e Nilo Hiroyuki Mitida, ela tomou a iniciativa há duas semanas, e já conta com uma demanda que vai além da capacidade da semanal. “Estou muito feliz porque deu certo, e esperançosa de poder ajudar muitas pessoas, além dos meus pais. Em vista do isolamento social adotado pelo Estado e o Município para o combate da disseminação do Covid-19, muitas pessoas sequer podem sair de casa, a exemplo de adultos com mais de 60 anos”, argumenta Nilana. Segundo ela, o projeto está ganhando corpo e já conta com outros seis agricultores no fornecimento dos produtos.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Produzidas na Colônia Japonesa de Itapuã pelos pais de Nilana, folhas verdes, como alface e couve, são apenas alguns dos itens disponíveis no kit de hortaliças, que custa R$ 55,00 já com taxa de entrega inclusa. Outros 17 alimentos entram na lista, entre os quais: cenoura, batata, berinjela, maçã, limão e bananas. Os pedidos são feitos via direct pelo Instagram (@telefeira) e são entregues por região, uma vez por semana. “Estamos trabalhando para conseguir atender a todos da melhor maneira possível. Não esperávamos toda esta repercussão”, comenta feliz a engenheira civil. Segundo ela, em apenas quatro dias a demanda já havia alcançado o número de 500 kits. As encomendas para as semanas dos dias 13 e 21 de abril já estão esgotadas. “Mas já abrimos a agenda de encomendas para maio”, informa Nilana.
“Agora, estamos nos organizando para que possamos ajudar mais pessoas ainda com essa iniciativa, uma vez que outros agricultores – que antes forneciam para restaurantes agora fechados – também estão com mercadorias paradas”, comenta Nilana. Este foi o caso dos pais da engenheira, que viram os pedidos das empresas diminuírem drasticamente. “Poucas estão funcionando desde que iniciou a quarentena, e somente por delivery, que também não estão com muita demanda.”