Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Tecnologia

- Publicada em 09h28min, 03/04/2020. Atualizada em 15h50min, 03/04/2020.

Operadoras disponibilizam dados para governo monitorar mobilidade das pessoas

Ideia é permitir a identificação de deslocamentos e pontos de aglomeração

Ideia é permitir a identificação de deslocamentos e pontos de aglomeração


PRESSFOTO VIA FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
As principais operadoras de telefonia móvel vão oferecer ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) uma solução única de dados para monitorar a mobilidade populacional. Isso inclui deslocamentos e pontos de aglomeração, para identificar situações de concentração de pessoas e risco de contaminação pelo novo coronavírus.
As principais operadoras de telefonia móvel vão oferecer ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) uma solução única de dados para monitorar a mobilidade populacional. Isso inclui deslocamentos e pontos de aglomeração, para identificar situações de concentração de pessoas e risco de contaminação pelo novo coronavírus.
Algar Telecom, Claro, Oi, Tim e Vivo, atuando em parceria, vão fornecer os dados de mobilidade originados pelos celulares nas redes móveis ao MCTIC, que possui uma sala de acompanhamento do tema e poderá disponibilizar as informações a todas as esferas do poder público. Os dados fornecidos visam exclusivamente o combate à covid-19.
De acordo com o Sindicato das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel e Celular Pessoal (SindiTelebrasil), os dados estarão em nuvem pública (Data Lake) e organizados de forma agregada, estatísticos e anônima, de acordo com as normas da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e do Marco Civil da Internet.
As operadoras desenvolverão ainda aplicativos e casos de uso para auxiliar os órgãos públicos no mapeamento da evolução da epidemia do novo coronavírus. A iniciativa poderá evoluir também para convidar outras empresas, universidades e startups para participar, agregando mais dados anonimizados e estatísticos ao Data Lake, ou até para o desenvolvimento de outros aplicativos e casos de uso.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO