Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Com a Palavra

- Publicada em 03h00min, 06/04/2020. Atualizada em 19h41min, 06/04/2020.

Pandemia coloca em prova a responsabilidade social corporativa

Liliane diz que este o  é o momento de empresas mostrarem seu papel dentro da sociedade

Liliane diz que este o é o momento de empresas mostrarem seu papel dentro da sociedade


Mario Duarte Divulgação JC
Roberta Mello
A pandemia do novo coronavírus está impondo um desafio às empresas na hora de fechar as contas do mês e para cumprir os pagamentos de funcionários, fornecedores e tributos. Mas este também é um momento crucial para essas organizações mostrarem que estão realmente comprometidas com as práticas de sustentabilidade ambiental, social e de governança que fazem parte dos critérios ESG (Environmental, Social and Governance, em inglês).
A pandemia do novo coronavírus está impondo um desafio às empresas na hora de fechar as contas do mês e para cumprir os pagamentos de funcionários, fornecedores e tributos. Mas este também é um momento crucial para essas organizações mostrarem que estão realmente comprometidas com as práticas de sustentabilidade ambiental, social e de governança que fazem parte dos critérios ESG (Environmental, Social and Governance, em inglês).
A CEO e fundadora da Gestão Kairós, consultoria especializada no assunto, Liliane Rocha, afirma que esta é a oportunidade para comprovar que os negócios realmente estão levando a sério seu papel dentro da sociedade. Autora do livro "Como ser um líder inclusivo", Liliane salienta que preservar a saúde dos funcionários nesse momento, além de ser uma questão de direitos humanos, também é uma estratégia de negócios.
Empresas & Negócios- Qual é a importância de a empresa colocar todos profissionais em segurança, sem distinção entre cargos?
Liliane Rocha - A importância maior é a questão de direitos humanos, Quando falamos do direito à vida no contexto empresarial, é fundamental que se olhe para todos sem distinção, fazendo valer direitos e valorizando todo e cada indivíduo. Independentemente de cargo, deve-se garantir que todos possam estar seguros e tranquilos.
E&N - É possível que as organizações sejam penalizadas caso não adotem essa política?
Liliane - Temos que ressaltar a questão da reputação das empresas, que, com certeza, a curto, médio e longo prazos, será impactada. A sociedade saberá de que forma cada uma se portou nesse momento. Entendo que nenhuma empresa vai bem com uma parte de seus funcionários doentes, o que é uma possibilidade se não forem adotadas as determinações de distanciamento social. Então, preservar a saúde dos funcionários, além de uma questão de direitos humanos, é estratégia de negócios. Essa força de trabalho será demandada e precisa estar saudável.
E&N - Você fala na importância de conscientizar os colabores sobre a situação do País e da própria empresa. Como fazer isso?
Liliane - Sabemos que há muita conversa de corredor, e a disseminação de fake news, bem comum no Brasil, repete-se dentro das empresas. Desinformação, boatos, dados e notícias falsas acabam sendo compartilhados. Nesse sentido, o papel da comunicação e do marketing - áreas que conhecem o público interno - sabem quais ações e mecanismos mais assertivos para assegurar que todos tenham acesso a informações corretas. Mais do que isso, eles podem ser disseminadores das verdadeiras notícias junto às suas comunidades.
E&N - A transparência é mais importante neste momento? Expor fragilidades e dificuldades pelas quais a organização terá de passar pode ser interessante?
Liliane - Mais do que fundamental, a transparência, agora é imprescindível para que o empresariado compartilhe as boas práticas entre si. A dificuldade pode já ter sido resolvida, e vice-versa. Por isso, a transparência, o compartilhamento de conhecimento e de boas práticas pode fazer toda a diferença em momentos de crise. Não é preciso, isoladamente, tentar 10 vezes algo que outra empresa já tenha obtido sucesso e que pode ser adaptado a cada realidade.
E&N - Reduzir remunerações para amenizar o impacto financeiro é uma opção imediata?
Liliane - Reduzir a renda e a carga horária é, mais uma vez, o cenário histórico brasileiro: penalizar os mais pobres em uma crise global. Sabemos das desigualdades tremendas que existem no Brasil, inclusive temos um grupo mínimo de bilionários e está parado há anos no Congresso Nacional um projeto de taxação de grandes fortunas. Agora, esse grupo deveria, com uma pequena parcela de seus bilhões, ajudar e apoiar a grande massa para que a população sofra o mínimo possível por conta da pandemia.
E&N - Qual é a relevância de os funcionários se sentirem mais seguros em relação ao seu emprego neste momento?
Liliane - Quando falamos da Covid-19, pensamos muito nas implicações do abalo físico e até da morte, que é o ápice do que pode acontecer com as pessoas infectadas. Mas tenho percebido que poucos têm se preocupado com a saúde emocional, psíquica e até na espiritual das pessoas. Pensar que os funcionários estejam e se sintam seguros é dar para essas pessoas uma tranquilidade física, psíquica e emocional de forma que possam continuar desempenhando suas funções de forma plena.
E&N - Observar e adotar essas práticas pode ajudar a fazer com que o colaborador se envolva na sustentabilidade do negócio?
Liliane - Entendo que essas práticas fazem com que o colaborador e a sociedade tenham certeza de que, quando a empresa fala de sustentabilidade e diversidade e se posiciona publicamente em relação a isso, não é somente um discurso, mas uma prática. Ou seja, isso atesta que a companhia não estava sendo oportunista e apenas se apropriando de atributos ambientais, sociais e de diversidade para se destacar no mercado. É em momentos de crise que as empresas precisam reforçar, junto ao público, que promovem mudanças concretas e reais nas práticas que adotam. Assim, deixarão claro para seus stakeholders a seriedade do trabalho que realizam e irão reforçar também junto à sociedade o seu posicionamento enquanto organizações sérias e responsáveis.
E&N - Levando-se em consideração, então, que este é o momento de as empresas mostrarem que realmente levam a sério a sustentabilidade para além de seus balanços, quais ações devem ser destacadas por elas?
Liliane - Em minha opinião, quando vejo que a Gerdau, por exemplo, faz parceria com outras empresas e com o poder público, e anuncia que em poucos dias rá disponibilizar 40 leitos de hospitais para atender pacientes da Convid-19, ela está conseguindo fazer a diferença. Isso porque se posicionar nesse momento de forma contundente e age muito além de seu escopo de atuação comercial. Estamos vendo, na prática, que a empresa realmente se preocupa com o meio ambiente, com a sociedade e com as pessoas, inclusive movendo esforços para atender àqueles que não seriam a priori de sua responsabilidade para garantir a segurança de todos. Voltando ao exemplo da Gerdau, estamos falando de 40 leitos. Mas imaginem se todas as empresas fizessem o mesmo? Se as 500 maiores companhias do Brasil se responsabilizassem agora e cada uma decidisse atuar em prol de alguma área prioritária? Estamos falando de um leque imenso de opções: pode ser com a doação de álcool gel ou outros insumos para as comunidades periféricas, por exemplo. Outra medida importante seria que as grandes empresas garantissem o pagamento aos seus pequenos fornecedores durante a crise, mesmo que eles não possam fazer suas entregas. Tenho certeza de que iríamos superar não só a crise de coronavírus, mas arrisco dizer que teríamos condições de acabar com algumas das maiores desigualdades do País e de nos tornarmos uma grande referência para o mundo.
Comentários CORRIGIR TEXTO