Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Conjuntura

30/03/2020 - 11h33min. Alterada em 30/03 às 11h52min

Empresários esperam para esta semana liberação de recursos de apoio ao setor

Solmucci avalia que podem ser anunciadas medidas ainda nesta segunda-feira

Solmucci avalia que podem ser anunciadas medidas ainda nesta segunda-feira


Danilo Viegas/Abrasel/DIVULGAÇÃO/JC
Thiago Copetti
Empresários e entidades que representam alguns dos setores mais afetados pela pandemia de coronavírus, como de bares e restaurantes, aguardam ansiosos que sejam colocadas em prática medidas anunciadas nas últimas semanas pelo governo federal. Em meio a muitos comunicados, porém, nenhum recurso foi efetivamente liberado. Os prazos começam a se afunilar com a proximidade do pagamento de salários de março, até o quinto dia útil de abril.
Empresários e entidades que representam alguns dos setores mais afetados pela pandemia de coronavírus, como de bares e restaurantes, aguardam ansiosos que sejam colocadas em prática medidas anunciadas nas últimas semanas pelo governo federal. Em meio a muitos comunicados, porém, nenhum recurso foi efetivamente liberado. Os prazos começam a se afunilar com a proximidade do pagamento de salários de março, até o quinto dia útil de abril.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Ainda há muitas dúvidas e poucas respostas precisas entre entidades representativas sobre como serão executados os programas e quando as empresas começam ter acesso aos valores. Mas há expectativa de que boa parte dos anúncios tenha mais detalhamentos a partir desta segunda-feira (30).
Na sexta-feira (27), por exemplo, foi divulgado que haveria uma linha de crédito emergencial a juros reduzidos para pequenas e médias empresas no valor de R$ 40 bilhões para financiar a folha de pagamento e garantir empregos. De acordo com o Ministério da Economia, o governo deverá arcar com os salários de funcionários que ganham até dois salários-mínimos (R$ 2.090) durante dois meses.
Para a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), um dos segmentos mais afetados e com grande número de pequenos e médios empresários, por exemplo, a principal notícia do final de semana foi dada no domingo (30), pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ao conceder permissão a União para ajudar a pagar salários durante a crise. De acordo com a entidade, o ministro Alexandre de Moraes assinou liminar que permite ao governo emitir Medida Provisória (MP) de ajuda às empresas, incluindo o pagamento de salários dos trabalhadores com recursos a fundo perdido.
“A medida estará disponível para todas as empresas, mas claro que micro e pequenas receberão ajuda maior”, diz o presidente da Abrasel, Paulo Solmucci.
A Abrasel vinha pleiteando ajuda mais emergencial do governo, a fundo perdido, para resolver o problema da folha de pagamento a ser quitada em abril, evitando demissões desde agora. O problema do programa de empréstimo anunciado na sexta-feira (27), é que passaria a valer daqui a entre 10 e 15 dias, explica a Associação. Ou seja, depois do vencimento da folha de pagamento de abril, que já é dia 5 - o que não ajudaria a pagar os salários deste mês.
A Abrasel assegura que para colocar em prática a ajuda a fundo perdido para o pagamento dos salários seria preciso aprovar a verba que possibilitaria isso, ultrapassando o teto de gastos. Por isso foi necessário pedir ao STF liberação relacionada à Lei de Responsabilidade Fiscal. A grande expectativa do setor é ver a MP publicada ainda nesta segunda-feira.
“Agora, vamos lutar junto a governos estaduais e municipais, e grandes empresas de alimentos e bebidas e aos meios de pagamento para resolver temas como vale-transporte, aluguéis, o fornecimento de água, de luz, e para recompor os estoques de mercadorias para a retomada após a crise”, diz Solmucci.