Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Olimpíadas

30/03/2020 - 10h03min. Alterada em 30/03 às 10h04min

COI define data das Olimpíadas de Tóquio em 2021

Decisão foi comunicada nesta segunda pelo órgão

Decisão foi comunicada nesta segunda pelo órgão


FABRICE COFFRINI/AFP/JC
Seis dias depois do anúncio oficial do adiamento por conta da pandemia do novo coronavírus, os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio já têm nova data. Nesta segunda-feira (30), o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou que a Olimpíada será disputada entre os dias 23 de julho e 8 de agosto de 2021, no mesmo período que seria realizada neste ano (24 de julho a 9 de agosto). O mesmo vale para a Paralimpíada, que começará em 24 de agosto e irá até 5 de setembro.
Seis dias depois do anúncio oficial do adiamento por conta da pandemia do novo coronavírus, os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio já têm nova data. Nesta segunda-feira (30), o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou que a Olimpíada será disputada entre os dias 23 de julho e 8 de agosto de 2021, no mesmo período que seria realizada neste ano (24 de julho a 9 de agosto). O mesmo vale para a Paralimpíada, que começará em 24 de agosto e irá até 5 de setembro.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
A decisão do novo calendário foi tomada após estudos e negociações entre o presidente do COI, o alemão Thomas Bach, e dirigentes das federações esportivas e de comitês nacionais. A nova data cumpre a promessa da entidade de que os Jogos de Tóquio-2020 seriam realizados até o verão de 2021 no hemisfério norte.
"Quero agradecer às Federações Internacionais pelo apoio unânime e às Associações Continentais dos Comitês Olímpicos Nacionais pela grande parceria e pelo apoio no processo de consulta nos últimos dias. Também gostaria de agradecer à Comissão de Atletas do COI, com quem mantemos contato constante. Com este anúncio, estou confiante de que, trabalhando em conjunto com o Comitê Organizador de Tóquio-2020, o Governo Metropolitano de Tóquio, o Governo Japonês e todas as nossas partes interessadas, podemos superar esse desafio sem precedentes. Atualmente, a humanidade se encontra em um túnel escuro. Estes Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 podem ser uma luz no fim deste túnel", disse Bach, em comunicado oficial.
Nesta segunda-feira em Tóquio, membros do Comitê Executivo do COI e do Comitê Organizador realizaram o primeiro encontro desde que os Jogos Olímpicos foram adiados na terça passada. Em uma primeira entrevista com os jornalistas após a reunião, as novas datas não foram confirmadas. Pouco tempo depois, porém, uma nova coletiva foi convocada às pressas para comunicar o anúncio oficial.
"O calendário dos Jogos é a chave para a preparação dos atletas. Isso vai acelerar o nosso progresso", disse Yoshiro Mori, presidente do Comitê Organizador, na entrevista coletiva desta segunda-feira. "Nós queríamos ter mais espaço (datas) para a qualificação dos atletas".
Os Jogos de Tóquio-2020, que continuará com o mesmo nome, foram oficialmente adiados na última terça-feira por causa da pandemia do covid-19. A decisão foi tomada após uma teleconferência entre Bach e Shinzo Abe, primeiro ministro do Japão, para resguardar a segurança de atletas, técnicos e de todos que participariam diretamente ou indiretamente das competições.
O orçamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos terá de ser revisto. O contrato com algumas das sedes esportivas também passará por uma renegociação. Há ainda a preocupação sobre como ficará a questão dos ingressos e devolução de dinheiro para quem não quiser mais ir a Tóquio em 2021.