Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Transporte

Notícia da edição impressa de 30/03/2020. Alterada em 30/03 às 03h00min

Setcergs pede retomada das atividades em 31 de março

Silva aponta que segmento está diante de muitos obstáculos

Silva aponta que segmento está diante de muitos obstáculos


/CLAITON DORNELLES/arquivo /JC
O Sindicato das Empresas de Transportes de Carga e Logística do Rio Grande do Sul (Setcergs) emitiu nota fazendo coro ao pedido de outras entidades empresariais para retomar as atividades econômicas em caráter parcial. A nota, assinada pelo presidente da entidade, João Jorge Couto da Silva, pede a retomada dessas atividades a partir do dia 31 de março.
O Sindicato das Empresas de Transportes de Carga e Logística do Rio Grande do Sul (Setcergs) emitiu nota fazendo coro ao pedido de outras entidades empresariais para retomar as atividades econômicas em caráter parcial. A nota, assinada pelo presidente da entidade, João Jorge Couto da Silva, pede a retomada dessas atividades a partir do dia 31 de março.
Segundo o texto, o Setcergs quer que as pessoas que não fazem parte dos grupos de risco retomem suas atividades "desde que sejam seguidas, com total rigor, as orientações de higiene nos ambientes de trabalho". "Estamos cientes da gravidade de uma pandemia, respeitamos os alertas feitos pelas autoridade nacionais e mundiais de saúde, mas tememos que o atual cenário de completo isolamento social possa agravar ainda mais a situação", diz o texto.
"Apesar de nosso setor fazer parte das atividades consideradas essenciais neste momento de crise, a realidade mostra que estamos enfrentando inúmeros obstáculos para seguir adiante.", diz o documento. De acordo com o Setcergs, cerca de 70% das empresas do transporte rodoviário de cargas estejam paradas no País.