Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

trabalho

- Publicada em 19h31min, 28/03/2020. Atualizada em 19h39min, 28/03/2020.

Tesouro entra com R$ 34 bilhões para financiar folha de pagamento, diz Mansueto

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, comentou o programa de financiamento da folha de pagamento das pequenas e médias empresas lançado nesta semana pelo Banco Central com o BNDES e a Caixa. Ele afirmou que o funding será do Tesouro Nacional. "O Tesouro entra com R$ 34 bilhões nos dois meses. O resto R$ 6 bilhões virá do setor privado", disse Mansueto em bate-papo com o presidente da BTG Pactual Asset Management e ex-ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, e com o sócio do BTG Pactual e ex-diretor do Banco Central, Eduardo Loyo, pelo YouTube.
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, comentou o programa de financiamento da folha de pagamento das pequenas e médias empresas lançado nesta semana pelo Banco Central com o BNDES e a Caixa. Ele afirmou que o funding será do Tesouro Nacional. "O Tesouro entra com R$ 34 bilhões nos dois meses. O resto R$ 6 bilhões virá do setor privado", disse Mansueto em bate-papo com o presidente da BTG Pactual Asset Management e ex-ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, e com o sócio do BTG Pactual e ex-diretor do Banco Central, Eduardo Loyo, pelo YouTube.
Mansueto disse que ainda está sendo desenhada a contabilização da saída e da entrada desses recursos. "Não quero nenhuma conta escondida. Não quero que isso gere nenhum passivo contingente. Quero deixar tudo isso muito transparente", disse o secretário. Possivelmente, vai sair como despesa primária e vai voltar como receita", disse o secretário, acrescentando que o valor será repassado ao BNDES que vai enviar aos bancos.
Ele lembrou que, nessa linha de crédito, vão ser atendidas as pequenas e médias empresas que faturam entre R$ 360 milhões e R$ 10 milhões por ano. "O problema da microempresa está sendo estudado pelo Pedro Guimarães, presidente da Caixa e pelo Sebrae", disse.
Sobre o Banco Central, o secretário afirmou que a relação do Tesouro com a autoridade monetária está mais transparente e muito independente. "Nunca falo sobre câmbio, reserva e taxa de juros de curto prazo com o Banco Central", disse Mansueto, acrescentando que autoridade monetária não temas específicos do Tesouro.
No bate-papo com Loyo e Guardia, Mansueto reforçou que o atual momento não permite planejamentos e previsões de longo prazo. Disse, inclusive, que a nova previsão do Ministério da Economia de crescimento de 0,02% do PIB em 2020 já pode estar defasada. "É de duas semanas atrás. Possivelmente, uma nova projeção sobre PIB brasileiro em 2020 pode vir negativa", afirmou o secretário.
Mansueto e sua equipe têm seguido as recomendações do Ministério da Saúde para evitar o contágio pelo novo coronavírus. Reuniões e debates com outros agentes econômicos e políticos têm sido feitos através de videoconferência.
O secretário elogiou o trabalho dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. "Maia e Alcolumbre estão muito abertos para agilizar debate sobre medidas emergenciais", disse. Ele afirmou que, diferentemente de outros países, o Brasil tem travas constitucionais que emperram a aprovação de despesas.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO