Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 03h00min, 24/03/2020.

BC eleva em R$ 1,2 trilhão a liquidez nos bancos

O Conselho Monetário Nacional (CMN) e o Banco Central (BC) anunciaram nesta segunda-feira um pacote de medidas para aumentar a liquidez do sistema financeiro e do mercado de dívidas de empresas durante a crise gerada pelo novo coronavírus. De acordo com o presidente do BC, Roberto Campos Netto, a estimativa é de que as ações tenham um impacto de
O Conselho Monetário Nacional (CMN) e o Banco Central (BC) anunciaram nesta segunda-feira um pacote de medidas para aumentar a liquidez do sistema financeiro e do mercado de dívidas de empresas durante a crise gerada pelo novo coronavírus. De acordo com o presidente do BC, Roberto Campos Netto, a estimativa é de que as ações tenham um impacto de
R$ 1,2 trilhão.
"A gente colocou uma estimativa aqui de R$ 1,216 trilhão. Obviamente tem um mix de medidas de liquidez e medidas de direcionamento. São muito mais potentes do que o que foi feito no passado. Isso vai ser claramente percebido pelo mercado", afirmou durante entrevista coletiva.
Liquidez é a facilidade com que um ativo financeiro pode ser convertido em dinheiro. "Este é o maior plano de injeção de liquidez da história. Eu gostaria de passar tranquilidade para todo mundo, o Banco Central está atento, focado e entende quais são os instrumentos para atuar em cada momento", afirmou Campos Neto.
O CMN autorizou que bancos captem dinheiro por depósitos a prazo usando o FGC (Fundo Garantidor de Créditos) como garantia. Essa modalidade de depósito a prazo é garantida pelo FGC até o limite de R$ 20 milhões por titular e, de acordo com o Banco Central, foi um instrumento utilizado com sucesso durante a crise mundial de 2008.
Campos Neto disse que, enquanto para os consumidores a incerteza os leva a querer estocar comida e álcool em gel, as empresas buscam ter recursos para atravessar a crise. "O mundo empresarial não é muito diferente. As empresas, principalmente as pequenas e médias, têm incerteza de quanto tempo elas vão ter que navegar nessa crise, quanto tempo vão ter que ficar sem receber o dinheiro das atividades do dia a dia. Então, tem uma busca por liquidez", completou ele.
 

Governo descarta falência de instituições financeiras

O Banco Central (BC) descarta, neste momento, a possibilidade de quebra de bancos no Brasil como consequência da pandemia de coronavírus. O presidente do BC, Roberto Campos Neto, defendeu que a crise atual é diferente da ocorrida em 2008 e 2009, quando dezenas de instituições financeiras quebraram ou foram absorvidas por outras em todo o mundo. "Em 2008, a incerteza era se o banco ia quebrar ou não. Agora, não falamos disso", afirmou Campos Neto.

O presidente do BC pontuou que, hoje, as instituições financeiras no Brasil têm "bastante folga" no chamado Índice de Basileia, que mede a relação entre o patrimônio de um banco e seus ativos ponderados pelo risco.

Pelas regras atuais seguidas pelo BC, cada instituição precisa ter Índice de Basileia mínimo de 8%. Os dados da autarquia mostram que, na média, o índice para o sistema financeiro estava em 17,12% em março deste ano. Em março de 2009 - pouco após o estouro da crise financeira global - o índice médio era de 18,13%. Na época, porém, a exigibilidade era maior, de 11%.

"Temos um sistema bem provisionado, com boa liquidez e capital sobrando", disse Campos Neto. "Nenhuma instituição financeira hoje tem Índice de Basileia abaixo ou perto do recomendado (8%). Ainda não precisamos socorrer nenhuma instituição", acrescentou.

Por fim, o BC anunciou a possibilidade de as instituições financeiras acessarem empréstimos com lastro em debêntures. Na prática, a autarquia vai liberar recursos para o banco que necessitar. Em contrapartida, terá debêntures como garantia. Poderão fazer parte desta garantia as debêntures adquiridas pelos bancos entre 23 de março e 30 de abril. O potencial da medida é de R$ 91 bilhões.

Comentários CORRIGIR TEXTO