Porto Alegre, sábado, 21 de março de 2020.
Dia contra a Discriminação Racial.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, sábado, 21 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

AGRONEGÓCIOS

21/03/2020 - 16h41min. Alterada em 21/03 às 16h42min

Vírus derruba setores do agronegócio, mas China amplia demanda por alimentos do Brasil

Efeitos negativos são observados em frigoríficos e mercados de aves (foto) e suínos

Efeitos negativos são observados em frigoríficos e mercados de aves (foto) e suínos


MPT/DIVULGAÇÃO/JC
Folhapresss
O choque econômico provocado pelo novo coronavírus já provoca impactos relevantes no agronegócio brasileiro, aponta boletim de monitoramento da pandemia produzido pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). De acordo com a entidade, efeitos negativos são observados em frigoríficos e mercados de aves, suínos e camarões, além de produtores de flores. Por outro lado, a China ampliou a demanda por produtos brasileiros.
O choque econômico provocado pelo novo coronavírus já provoca impactos relevantes no agronegócio brasileiro, aponta boletim de monitoramento da pandemia produzido pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). De acordo com a entidade, efeitos negativos são observados em frigoríficos e mercados de aves, suínos e camarões, além de produtores de flores. Por outro lado, a China ampliou a demanda por produtos brasileiros.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
A CNA afirma que o comércio de grãos, óleos e alimentos destinados à China registrou aumento de 9,7% em janeiro e fevereiro deste ano, período em que a epidemia atingiu fortemente o país asiático.
"A 'corrida' dos consumidores aos supermercados é a provável causa do aumento das vendas de itens básicos para a dieta chinesa. As vendas de alimentos online também cresceram 3% no mesmo período", afirma o relatório.
A pandemia não interrompeu as compras chinesas de bens agropecuários, mas o cancelamento de rotas marítimas já provoca atrasos no transporte internacional, ressalta a CNA. Também houve aumento de demanda na Arábia Saudita. A entidade não identificou impactos relevantes nas vendas para a União Europeia e Estados Unidos.
Em análise setorial, a Confederação afirma que o mercado do boi gordo iniciou a semana com pressão sobre frigoríficos, com quedas nas cotações. Houve redução em escalas de funcionários e anúncios de férias coletivas. A interrupção dos serviços de restaurantes já levam a recuos de até 15% nos pedidos de aves e suínos. A comercialização de camarões caiu 80%.
A CNA ainda afirma que demanda por flores em vasos caiu 50%, enquanto busca pelas flores de corte desabou 70%. Os produtores de frutas e hortaliças observam um aumento de até 30% na demanda de supermercados. "Por outro lado, a procura em redes de fast food, bares e restaurante caiu drasticamente. Com a ordem de fechamento em grandes cidades, espera-se que demanda recue a níveis nunca vivenciados pelo setor", diz o documento.