Porto Alegre, domingo, 22 de março de 2020.
Dia Mundial da Água.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, domingo, 22 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Serviços

21/03/2020 - 08h50min. Alterada em 22/03 às 19h08min

Porto Alegre ordena fechamento de indústrias, comércios e serviços

Decretos da prefeitura de Porto Alegre ampliam as medidas contra o coronavírus

Decretos da prefeitura de Porto Alegre ampliam as medidas contra o coronavírus


FERNANDO ALBRECHT/ESPECIAL/JC
A prefeitura de Porto Alegre determinou o fechamento de indústria, comércio, serviços e construção civil dentro do aumento do rigor para aumentar o isolamento social e as barreiras contra a disseminação do coronavírus.
A prefeitura de Porto Alegre determinou o fechamento de indústria, comércio, serviços e construção civil dentro do aumento do rigor para aumentar o isolamento social e as barreiras contra a disseminação do coronavírus.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Os decretos do prefeito Nelson Marchezan Júnior regulando as novas determinações foram lançados no site da prefeitura na madrugada deste sábado (21).
Um dos decretos determina o fechamento do comércio, indústria, setor de serviços e construção civil. O funcionamento administrativo só poderá ser feito de forma remota.
Ficam de fora da medida farmácias e drogarias, serviços e comércio na área da saúde, mercados, hipermercados e supermercados, mercearias, açougues, peixarias, fruteiras e centros de abastecimento e distribuição de alimentos.
No que se refere ao setor da construção civil, as ferragens e comércio de material de construção podem funcionar.
Também ficam liberadas as indústrias alimentícias, inclusive animal; de higiene, limpeza, assepsia e de serviços de saúde; clínicas veterinárias, pet shops, postos de combustíveis e lubrificantes, distribuidoras de gás, lavanderias, hotéis e motéis, lojas de venda de água mineral e distribuidoras de serviços básicos e de telecomunicações e processamento de dados; transportadoras, salões de beleza, barbearias, óticas, entre outros.
Nos salões de beleza e barbearias, o atendimento tem de ser realizado com equipes reduzidas e restrição do número de clientes. Nos hotéis, as refeições deverão ser servidas nos quartos e não ficará proibida a circulação nas áreas comuns.
Em caso de descumprimento, as penalidades vão de multa, interdição e a cassação do alvará. O prazo de validade é de 30 dias. Os decretos estão publicados no Diário Oficial de Porto Alegre (Dopa).

Veja as medidas contra o coronavírus em Porto Alegre

Padarias, restaurantes, bares e lancherias
Decreto específico proíbe o funcionamento de padarias, restaurantes, bares e lancherias. As vendas para o público só podem agora ser feitas por meio de tele-entrega, delivery (cliente vai até a loja buscar o produto) ou pegue-e-leve (take away). Está liberado o acesso de clientes para compras rápidas e retirada dos produtos sem formação de filas, mesmo que do lado de fora do estabelecimento. O desrespeito poderá levar ao fechamento do comércio.
Shoppings e centros comerciais
Já tinham a operação restrita definida em decretos que proíbem o funcionamento dos shopping centers e centros comerciais, com exceção de farmácias, estabelecimentos de comércio e serviços na área da saúde, posto de atendimento da Polícia Federal, mercados, supermercados, bancos, terminais de autoatendimento, correios, lotéricas e estacionamentos.
Práticas comerciais abusivas
Decreto estabelece que fica proibido o aumento injustificado de preços de qualquer serviço ou produto de saúde e higiene durante a situação de emergência ou calamidade pública. Quem descumprir as determinações, sofrerá as sanções administrativas, cíveis e penais.
Bancos
Agências bancárias deverão funcionar a portas fechadas com equipes reduzidas e restrição de clientes na proporção de um para cada funcionário. Os locais também devem ser higienizados para a proteção dos usuários e funcionários. Quem descumprir as regras sofrerá penalidades que vão desde multa, interdição e até cassação do alvará de localização e funcionamento. As mesmas regras do decreto se aplicam as agências lotéricas e aos Correios. O decreto entra em vigor nesta sexta e terá validade de 30 dias.