Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Serviços

- Publicada em 03h00min, 20/03/2020.

Apps de entrega se adaptam a efeitos do coronavírus

Companhias estimulam ações que reduzam proximidade com cliente

Companhias estimulam ações que reduzam proximidade com cliente


/LUIZA PRADO/JC
Jefferson Klein e Thiago Copetti
Se, por um lado, a reclusão que a propagação do coronavírus tem causado na sociedade pode fazer com que aumente os pedidos de entrega de comida em domicílio, por outro, também é preciso manter cuidados na hora de receber as encomendas. Os aplicativos de delivery iFood, Rappi e Uber Eats estão adotando estratégias para reduzir o contato entre os clientes e quem está fazendo esse tipo de serviço.
Se, por um lado, a reclusão que a propagação do coronavírus tem causado na sociedade pode fazer com que aumente os pedidos de entrega de comida em domicílio, por outro, também é preciso manter cuidados na hora de receber as encomendas. Os aplicativos de delivery iFood, Rappi e Uber Eats estão adotando estratégias para reduzir o contato entre os clientes e quem está fazendo esse tipo de serviço.
O iFood é uma das companhias que já está testando entregas com menor proximidade entre as pessoas, onde o usuário pode combinar com o entregador via chat onde deixar o seu pedido. Em breve, segundo a assessoria de imprensa, o grupo anunciará outras ações para realizar as entregas sem contato. A empresa também está realizando comunicações educacionais e outras iniciativas para entregadores, restaurantes, colaboradores e consumidores. Para os parceiros independentes, o iFood criou um fundo solidário no valor de R$ 1 milhão para dar suporte àqueles que necessitem permanecer em quarentena. Os detalhes sobre o fundo solidário serão definidos e anunciados em curto prazo. A orientação ao entregador que tenha suspeita ou confirmação do coronavírus é que siga todas as recomendações de saúde transmitidas pelos órgãos públicos e, assim que possível, comunique a empresa pelos canais de atendimento.
O grupo iniciou revezamento de colaboradores nas suas sedes e adotou um modelo de home office total para todos os seus escritórios. Reuniões internas e com fornecedores deverão ser realizadas por videoconferências. A empresa entende que ainda é prematuro para dimensionar o impacto do coronavírus no mercado de food delivery brasileiro. Também segundo a assessoria de imprensa da companhia, é importante lembrar que, de acordo com autoridades globais, não há relatos de que o coronavírus possa ser transmitido por alimentos. Já a Rappi diz que adotou vários procedimentos preventivos. O primeiro foi incentivar a opção de pagamento via aplicativo, para que exista a menor proximidade possível. Essa alternativa é viável por meio da opção "entrega sem contato", em que os entregadores podem deixar o pedido na porta do cliente e se afastar por dois metros para evitar ficar perto da pessoa. Além disso, a empresa está disponibilizando álcool em gel para os entregadores. A Uber Eats também permite ao cliente a possibilidade de deixar uma instrução no app da empresa para pedir ao entregador que deixe o pedido na porta.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO