Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Aviação

- Publicada em 21h07min, 15/03/2020.

Aéreas começam a fechar vagas com aumento da crise no mundo

American Airlines suspende voos partindo para o Brasil a partir desta segunda-feira

American Airlines suspende voos partindo para o Brasil a partir desta segunda-feira


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O impacto da crise do coronavírus sobre o setor aéreo ganhou números concretos neste final de semana. A Air France deve colocar em lay-off (suspensão temporária de trabalho) até 80% de seus 40 mil funcionários, depois que o governo francês implantou medidas drásticas de restrição de circulação no país, no sábado. A KLM, sócia holandesa da Air France, também planeja cortar até 2.000 vagas temporárias, que não serão renovadas e suspender um quarto de seus voos neste mês, e até 40% das viagens no próximo trimestre.
O impacto da crise do coronavírus sobre o setor aéreo ganhou números concretos neste final de semana. A Air France deve colocar em lay-off (suspensão temporária de trabalho) até 80% de seus 40 mil funcionários, depois que o governo francês implantou medidas drásticas de restrição de circulação no país, no sábado. A KLM, sócia holandesa da Air France, também planeja cortar até 2.000 vagas temporárias, que não serão renovadas e suspender um quarto de seus voos neste mês, e até 40% das viagens no próximo trimestre.
O governo da Holanda suspendeu todas aulas e decretou o fechamento do comércio e de atrações turísticas como coffee shops (onde se pode comprar maconha) e casas de prostituição. A KLM também estuda deixar em lay-off parte de seus 30 mil funcionários.
O impacto também já provoca baixas nos Estados Unidos, onde o presidente Donald Trump estendeu a proibição de entrada de europeus aos cidadãos britânicos e irlandeses. E, n este domingo, a American Airlines anunciou a suspensão de todos seus voos partindo dos EUA para o Brasil a partir desta segunda-feira. A área vai cortar 75% de seus voos até o começo de maio e deixar em solo seus aviões maiores, e a Delta deve interromper praticamente todos os voos para a Europa e deixar 300 aviões no solo pelos próximos 30 dias. A United Airlines também anunciou a interrupção de voos para o Reino Unido.
Na Escandinávia, onde Noruega e Dinamarca se fecharam para a entrada de estrangeiros, a SAS anunciou que colocará 90% de seus funcionários em lay-off a partir desta segunda. Cerca de 10 mil trabalhadores terão seu trabalho suspenso. A Norwegian Air Shuttle empresa de baixo custo especializada em voos intercontinentais já havia anunciado que deixaria em solo 40% de seus voos e colocaria metade da equipe em lay-off. O fechamento total dos países bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia) levou à paralisação total da Air Baltic, primeira aérea a suspender toda a atividade por causa da pandemia.
Os aviões da empresa, uma das mais endividadas do setor, ficarão no solo desta terça (17) até 14 de abril. A quarentena decretada pela Espanha no sábado também provocou uma onda de cancelamento de voos para o país. A Ryanair, que já havia cancelado todos os voos para a Polônia, suspendeu quase todas as linhas para aeroportos espanhóis, medida também tomada pela easyJet.
A Iata (organização internacional do setor) declarou na semana passada que pode haver uma onda de falências se não houver socorro às aéreas, que passam por "extrema pressão financeira e operacional".
Desde que os primeiros casos de coronavírus surgiram na China, no final do ano passado, até 5 de março, as perdas de receita do setor já chegavam a US$ 113 bilhões (cerca de R$ 560 bilhões), segundo a Iata. O número não leva em conta as medidas drásticas anunciadas deste então pelos EUA e por outras empresas.
Comentários CORRIGIR TEXTO