Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Ministério da Saúde

Alterada em 13/03 às 21h31min

Mandetta: vamos liberar de R$ 420 a 430 milhões para Estados

Segundo o ministro, cabe a cada gestão estadual definir a melhor forma de aplicação dos recursos

Segundo o ministro, cabe a cada gestão estadual definir a melhor forma de aplicação dos recursos


SERGIO LIMA/AFP/JC
O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, anunciou nesta sexta-feira (13) que fará a liberação de R$ 420 a 430 milhões para Estados aplicarem, dentro dos planos de contingenciamento ao coronavírus, para prevenir o avanço da Covid-19. Segundo Mandetta, estes recursos não serão carimbados, cabendo a cada gestão estadual definir a melhor forma de aplicação.
O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, anunciou nesta sexta-feira (13) que fará a liberação de R$ 420 a 430 milhões para Estados aplicarem, dentro dos planos de contingenciamento ao coronavírus, para prevenir o avanço da Covid-19. Segundo Mandetta, estes recursos não serão carimbados, cabendo a cada gestão estadual definir a melhor forma de aplicação.
O plano levou em conta o cálculo de R$ 2 per capita. Segundo Mandetta, para o Estado de São Paulo, os recursos liberados devem chegar a R$ 94 milhões. "Fiquem tranquilos, recurso não vai faltar, temos que gastar bem o recurso", disse. Mandetta também reforçou a contratação de mil leitos de UTI pelo País. "Não instalamos porque é uma reserva móvel", disse.
Ainda segundo o ministro, a pasta separou R$ 1 bilhão para que as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) possam funcionar em períodos estendidos para o devido atendimento à população.
Mandetta também criticou as cobranças que foram feitas à esfera federal sobre o posicionamento com relação a medidas de contingenciamento. "Algumas medidas que cobram uma clareza como se fossem nacional são, na verdade, de âmbito estadual. Não é função da União cancelar eventos", disse o ministro. Entretanto, Mandetta ressalvou: "Aglomerações não são bem-vindas". Segundo argumentou, "vamos fazer sempre juntos com base em ciência e com base em técnica".
O ministro da Saúde esteve reunido hoje em São Paulo com o governador do Estado, João Doria (PSDB), e o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann Ferreira.