Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 13/03 às 17h04min

Coronavírus: Trump declara estado de emergência nos EUA

Declaração é segunda medida concreta anunciada por Trump para combate à pandemia

Declaração é segunda medida concreta anunciada por Trump para combate à pandemia


REPRODUÇÃO/JC
Os Estados Unidos declararam estado de emergência nacional na tarde desta sexta-feira (13) devido à crise do novo coronavírus. A medida, que pode ser aplicada somente por presidentes, permite ao Executivo usar US$ 50 bilhões alocados para combater a pandemia. O dinheiro pode ser usado para construção de instalações médicas, transporte de pacientes e distribuição de kits de emergência. 
Os Estados Unidos declararam estado de emergência nacional na tarde desta sexta-feira (13) devido à crise do novo coronavírus. A medida, que pode ser aplicada somente por presidentes, permite ao Executivo usar US$ 50 bilhões alocados para combater a pandemia. O dinheiro pode ser usado para construção de instalações médicas, transporte de pacientes e distribuição de kits de emergência. 
A presidente do Senado, Nancy Pelosi, afirmou na quarta-feira (11) que a Casa vai aprovar uma lei que vai fornecer testes gratuitos de coronavírus para as famílias americanas, incluindo quem não tem seguro de saúde.
O anúncio nesta sexta mostra mais uma reação concreta de Trump à disseminação do coronavírus.
Na quarta, restringiu a entrada de viajantes vindos da Europa, decisão considerada uma guinada brusca para corrigir a rota da resposta à pandemia pelo governo americano, criticado por ter feito pouco caso quando soaram os primeiros alarmes.
A administração de Trump é acusada de ter desmontado aparatos de emergência, desacreditado cientistas que trabalhavam para o governo e motivado, assim, uma fuga de cérebros - uma situação que torna mais difícil, hoje, a contenção da crise. A estimativa é de que ao menos 1.600 cientistas tenham deixado as agências públicas durante os dois primeiros anos do governo do republicano. 
Há anos cientistas alertam para a possibilidade de uma epidemia de tamanhas dimensões. Tanto que, em 2014, depois da crise do ebola, o então presidente americano Barack Obama criou um time de segurança nacional na Casa Branca para lidar com o risco de epidemias. Essa equipe, no entanto, foi eliminada em 2018 pela administração Trump.
Por fim, o que seria apenas uma reunião diplomática com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (sem partido), no resort do americano em Mar-a-Lago, no sábado (7), tornou-se a possibilidade de o líder americano ser portador de coronavírus, pois o secretário de Comunicação do Planalto, Fabio Wajngarten, que estava na comitiva brasileira, teve confirmado o diagnóstico de coronavírus na quinta-feira (12).
A notícia alarmou diversas autoridades brasileiras e americanas que tiveram contato com ele durante a visita de Bolsonaro à Flórida. A Casa Branca anunciou nesta quinta que não há necessidade de Trump (73) e o vice, Mike Pence (60) fazerem o teste para saberem se estão contaminados.
Judith Wasserheit, professora de medicina na Universidade de Washington, em Seattle, em entrevista ao New York Times, porém, discorda da decisão. "Devido às funções importantes que o presidente e o vice-presidente desempenham, seria sensato ter uma tolerância para realizar testes, independentemente do status dos sintomas", diz ela.
O presidente brasileiro, por sua vez, anunciou nesta sexta que seu teste para o coronavírus deu negativo.
O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA já havia declarado o covid-19 uma emergência de saúde no final de janeiro, mas a medida foi tomada com base em outra lei. A norma permite que restrições sejam impostas a pessoas que chegam ao país vindas da China, por exemplo.
Além disso, diversos estados declararam emergência, o que permitiu a criação de zonas de confinamento, como uma de pouco mais de 1 km em New Rochelle, em Nova York, um dos focos do vírus no país.
Nos EUA, há até o momento 1.920 casos confirmados e 41 mortes registradas.