Porto Alegre, quarta-feira, 12 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

COMENTAR | CORRIGIR

PARCERIAS

Notícia da edição impressa de 12/09/2018. Alterada em 12/09 às 14h49min

Apoio a projetos culturais, sociais e esportivos

Concertos Banrisul para Juventude está em sua 18ª edição e proporciona a alunos de escolas públicas conhecer o funcionamento de uma orquestra

Concertos Banrisul para Juventude está em sua 18ª edição e proporciona a alunos de escolas públicas conhecer o funcionamento de uma orquestra


BANRISUL/DIVULGAÇÃO/JC
 O Banrisul é reconhecido pelo apoio e patrocínio a incontáveis eventos, programas, produções e projetos de distintos setores da comunidade gaúcha. Mas nem sempre foi assim. Até a metade da década de 1990, o banco patrocinava apenas feiras econômicas, festas típicas, rodeios e festivais pelo Interior. A partir de 1995 a cultura em geral, o meio ambiente e, posteriormente, os esportes, passaram a contar com o aval da instituição.
Uma das primeiras ações voltadas à conscientização ambiental foi com a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) e as prefeituras municipais de Torres, Imbé e Capão da Canoa. A iniciativa deu origem ao projeto Banrisul Resgatando a Natureza, que tinha como slogan “Troque quatro sacolas de lixo seco por uma muda de planta”. O objetivo do programa, que se estendeu até 1998, era aumentar a consciência dos gaúchos sobre a importância da separação e a coleta seletiva do lixo, bem como do reflorestamento do Litoral. Em 2002, o Banrisul apoiou e participou do Encontro Preparatório Rio+10, em Porto Alegre.
Ao ampliar seu escopo de patrocínios, tornou-se também um dos principais incentivadores da cultura em geral e não apenas das manifestações regionais. Com sua ação, por exemplo, multiplica desde cedo o gosto pela música através do Concertos Banrisul para Juventude, em sua 18ª edição. É aberto a alunos de escolas públicas, com um repertório que vai da música clássica à popular. Mais de 100 mil pequenos espectadores já tiveram a oportunidade de ver o funcionamento de uma orquestra com as peculiaridades e sons de cada instrumento que os músicos utilizam.
Com o perfil de investidor em cultura, o banco ajuda também a preservar a história, ao mesmo tempo em que proporciona novos espaços de convívio público. Foi assim em 1996, com a criação do Memorial do Rio Grande do Sul, na antiga sede dos Correios e Telégrafos, no coração do Centro de Porto Alegre. Um convênio assinado entre os governos federal e estadual possibilitou a cedência do prédio projetado pelo arquiteto alemão Theodor Alexander Josef Wiederspahn, que se transformou em um importante centro de informação e divulgação da história do Estado.
Relevantes iniciativas sociais e culturais igualmente contam com o incentivo do banco, como o Fórum Social Mundial, o complexo cultural Multipalco, ao lado do Theatro São Pedro, e a Casa de Cultura Mario Quintana, localizada no antigo prédio do Hotel Majestic. 

Luzes à indústria cinematográfica

O movimento cultural brasileiro ganhou um incentivo adicional, em 1991, com a Lei Federal de Incentivo à Cultura e, em 1993, com a Lei do Audiovisual. Com essas legislações, o governo federal abriu mão de receber parte do imposto de renda devido pelas empresas para reverter a projetos culturais aprovados pelo Ministério da Cultura. O Banrisul, então, tornou-se pioneiro entre os bancos na utilização da Lei do Audiovisual para patrocinar a realização de filmes. O primeiro contemplado foi O Quatrilho, de Fábio Barreto. Baseado no livro homônimo do gaúcho José Clemente Pozzenato, a obra conta a história de dois casais de imigrantes italianos e chegou a ser indicada ao Oscar de melhor filme estrangeiro, em 1996.

Diversas outras produções audiovisuais, entre curtas, longas, médias e documentários, já receberam apoio e outras continuam contando com incentivo do Banrisul. Um deles foi o filme O Tempo e o Vento, em 2013. Inspirado na obra O Continente, de Erico Veríssimo, teve suas gravações também no Rio Grande do Sul. Em Bagé, foi construída a cidade cenográfica de Santa Fé, com 17 edificações em uma área de 10 mil metros quadrados, que, após as filmagens, passou para o acervo da prefeitura municipal, ficando aberta à visitação. A Corretora Banrisul também faz a captação de recursos para filmes com base nas leis de incentivo. O retorno aos investidores é baseado nos lucros da bilheteria que a obra conquistar. Além da produção cinematográfica, o banco é um dos copatrocinadores do tradicional Festival de Cinema de Gramado.

Mas não basta estimular autores, diretores, artistas e produtores. É preciso possibilitar que um público cada vez maior tenha acesso ao cinema, independentemente de sua condição. Por isto, o banco, desde 2015, desenvolve a atividade Cinema Acessível Banrisul em diversas localidades. Os filmes são projetados com audiodescrição, legendas explicativas e janelas de Libras para que possam ser assistidos por todas as pessoas interessadas no tema da acessibilidade. Mais de 3 mil pessoas já participaram dessas sessões gratuitas.

Na torcida com os gaúchos

Banrisul é o patrocinador máster da dupla Grenal, parceria que vai até 2021
Banrisul é o patrocinador máster da dupla Grenal, parceria que vai até 2021
/lUCAS UEBEL/GREMIO FBPA/divulgação/jc
Além de apoiar e ser parceiro no desenvolvimento da cultura do Rio Grande do Sul, o Banrisul torce com os gaúchos por meio do incentivo, da promoção de eventos e do patrocínio de atletas e clubes esportivos. "É importantíssimo o papel do Banrisul", afirma o presidente da Federação Gaúcha de Futebol (FGF), Francisco Noveletto Neto, ao destacar que toda a comunidade sai ganhando com a ação do banco. "Nem o Banrisul sabe o bem que faz às comunidades gaúchas", acrescenta.
Noveletto salienta que a presença do Banrisul é extremamente relevante também para os clubes do Interior e ele observa que não se trata apenas de uma questão financeira. "A comunidade se sente apoiada e isto faz com que todos fiquem com a autoestima elevada", diz o dirigente da FGF. O presidente do Esporte Clube Juventude, Roberto Tonietto, lembra ainda que o Banrisul há muitos anos é parceiro do Juventude. O banco é patrocinador máster do clube de Caxias do Sul, que atualmente disputa a série B do Campeonato Brasileiro. "É um banco com raízes no Estado e sua participação aqui é muito importante," relata. Tonietto informa também que o Banrisul se envolve com todas as ações sociais promovidas pelo clube.
O Banrisul é patrocinador máster de Grêmio e Internacional e, recentemente, a Vero, rede de adquirência do banco, também foi incluída entre os patrocinadores da dupla Grenal. A marca passou a estampar as mangas das camisas dos dois times a partir da 14ª rodada do campeonato brasileiro. O patrocínio se estenderá até dezembro de 2021 e a Vero vê o apoio à dupla Grenal como grande oportunidade de reforço contínuo à sua marca no Estado e, além disso, de apresentar-se como rede sólida, inovadora e com soluções adequadas a todos os perfis de clientes.
O presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Jr., afirma que o clube se sente muito contemplado por ter o Banrisul como patrocinador. "É o banco dos gaúchos e os resultados desta parceria ficam dentro do Estado", observa. Ele ressalta que além de ser uma das principais fontes de receita do Grêmio, o patrocínio do banco é muito relevante porque representa "a força gaúcha, é um dos símbolos do nosso Estado".
Já o presidente do Internacional, Marcelo Medeiros, afirma que "o Banrisul é um grande parceiro, não só do Inter, nem só do esporte, mas sim, de todo o Rio Grande do Sul. Temos muito orgulho em levar essa marca no nosso uniforme e de divulgá-la por todo o Brasil e o mundo. Ela representa uma instituição que apoia todos os gaúchos e todos os setores da economia do nosso Estado. É sim, o grande banco do Sul", complementa.
Mas não é apenas o futebol que tem apoio da instituição. Entre outras ações, o Banrisul é também um dos patrocinadores do Projeto Olímpico Sogipa que tem entre seus atletas a judoca Mayra Aguiar, campeã mundial e medalhista olímpica de judô.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia