Porto Alegre, sexta-feira, 06 de maio de 2022.
Dia do Cartógrafo.
Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de maio de 2022.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 06/05/2022 às 15h36min.

Ouro fecha dia em alta como refúgio contra inflação, mas tem 3ª queda semanal

O contrato mais líquido do ouro fechou em alta nesta sexta-feira (6) em sessão na qual investidores buscaram o metal como um seguro contra a inflação. As perspectivas para novos aumentos de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), o que impulsiona os rendimentos dos Treasuries, seguem pesando sobre a commodity, o que levou o ouro a fechar em queda pela terceira semana consecutiva. No entanto, há avaliação entre especialistas de que a alta nos preços ainda supera o aperto buscado pelo banco central.
O contrato mais líquido do ouro fechou em alta nesta sexta-feira (6) em sessão na qual investidores buscaram o metal como um seguro contra a inflação. As perspectivas para novos aumentos de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), o que impulsiona os rendimentos dos Treasuries, seguem pesando sobre a commodity, o que levou o ouro a fechar em queda pela terceira semana consecutiva. No entanto, há avaliação entre especialistas de que a alta nos preços ainda supera o aperto buscado pelo banco central.
O ouro para junho encerrou a sessão com alta de 0,38%, a US$ 1.882,80 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). Na semana, houve recuo de 1,51%.
O presidente do Fed, Jerome Powell, sinalizou que "aumentos de 50 pontos-base devem estar na mesa nas próximas reuniões", mas esse ritmo de alta não é forte o suficiente para pressionar significativamente o ouro, afirma Adrian Day, CEO da Adrian Day Asset Management.
Em sua coletiva de imprensa, Powell descartou a opção de aumentos de 75 pontos-base no curto prazo. "As projeções mais agressivas das ações do Fed nos próximos 12 meses levarão os juros a cerca de 3,4%. A inflação está em 8,5%, o que é mais negativo em termos reais do que estávamos em 1975-76, no início da grande inflação da década de 1970", diz Day.
No entanto, o metal recuou na semana, e o Commerzbank vê os rendimentos dos Treasuries como o principal fator que pesa sobre seu preço: em seu pico, os juros de dez anos subiram acentuadamente para 3,11% na quinta, seu nível mais alto em 3 anos e meio. "Como as expectativas de inflação baseadas no mercado não mudaram, as taxas de juros reais também aumentaram visivelmente. Isso tornou o ouro menos atraente como investimento alternativo", avalia o banco alemão.
Sobre o payroll (dado de emprego dos EUA) divulgado nesta sexta, o Commerzbank minimiza o impacto, e avalia que os dados provavelmente só teriam algum impacto perceptível no preço do ouro caso se desviassem significativamente das expectativas.
*Com informações Dow Jones Newswires.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO
Leia também