Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Economia

- Publicada em 25 de Abril de 2022 às 21:58

Palfinger supera receita de R$ 300 milhões em 2021

Multinacional, com atuação no segmento de equipamentos para movimentação de cargas e pessoas, praticamente dobrou valor consolidado no ano anterior

Multinacional, com atuação no segmento de equipamentos para movimentação de cargas e pessoas, praticamente dobrou valor consolidado no ano anterior


Palfinger/Divulgação/JC
Roberto Hunoff
Fabricante de equipamentos para movimentação de cargas e pessoas, a Palfinger encerrou o exercício passado com receita líquida consolidada de R$ 309,3 milhões, incremento de 95% sobre 2020. O incremento na receita, associado a medidas de contenção de despesas administrativas, fez com que a empresa registrasse lucro líquido de R$ 39,5 milhões, alta de 170% e margem líquida de 12,7% - no exercício anterior fora de 9,1%. Os dados integram relatório da administração publicado na semana passada.
Fabricante de equipamentos para movimentação de cargas e pessoas, a Palfinger encerrou o exercício passado com receita líquida consolidada de R$ 309,3 milhões, incremento de 95% sobre 2020. O incremento na receita, associado a medidas de contenção de despesas administrativas, fez com que a empresa registrasse lucro líquido de R$ 39,5 milhões, alta de 170% e margem líquida de 12,7% - no exercício anterior fora de 9,1%. Os dados integram relatório da administração publicado na semana passada.
O vice-presidente de Vendas e Serviços para a América Latina, Ismael Daneluz, atribui o desempenho positivo à assertividade na execução das estratégias adotadas. “Seguimos com a execução do plano de crescimento, aproveitando o momento de recuperação em alguns setores de mercado, principalmente aqueles ligados à mineração, construção civil e de transporte”, assinalou. Também destacou a expansão dos negócios para novos países e ampliação das linhas de produto. “Introduzimos diferentes linhas de produtos em mercados como Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Colômbia e Uruguai”, apontou.
Sobre perspectivas para os próximos anos, visualiza oportunidades de mercado e de crescimento, apesar do contexto complexo no horizonte. “Existem importantes projetos de infraestrutura planejados na região, a participação do Brasil e da Argentina no agronegócio global deverá aumentar e o segmento energético ainda tem muito potencial para se desenvolver. Temos como estratégia buscar um crescimento sustentável nos segmentos em que atuamos”, reforça.
Com o intuito de avançar com o plano de expansão na América Latina, o vice-presidente de Operações para a região, Edison Peters, comenta que o grupo realizará investimentos para ampliar e modernizar as instalações fabris. “Em 2020, aprovamos o maior pacote de investimento na história da companhia na região LATAM, destinado à ampliação e modernização das plantas produtivas no Brasil e na Argentina, no período de 2021 a 2024”, assinalou. O crescimento dos negócios nos últimos dois anos refletiu em aumento próximo a 50% no número de colaboradores, elevando a 800 o quadro atual nas plantas do Brasil, em Caxias do Sul, e na Argentina, em Córdoba, e nas filiais de Sorocaba e Buenos Aires.
Para 2022, a multinacional tem como objetivo manter o ritmo acelerado de crescimento, aproveitando o momento positivo que os principais segmentos de atuação têm vivido. A alta demanda anima o diretor comercial e de linhas de produto, Silvio Gateli. “No Brasil e na Argentina, a agricultura e a construção civil estão em franca expansão e com perspectivas positivas, resultando em alta demanda por nossos produtos. Na mineração, onde temos participação bastante relevante, o aumento global por matérias-primas tem sustentado os investimentos nesse novo ciclo das commodities”, projeta. Também confirmou novos modelos de guindastes articulados e elevadores de ônibus e o lançamento de nova linha de cestos aéreos.
Em 2001, o grupo austríaco Palfinger adquiriu a Madal, empresa familiar criada em 1946, em Caxias do Sul. A multinacional, fundada em 1932, tem cerca de 11,7 mil funcionários em 34 localidades e perto de 5 mil pontos de atendimento em mais de 130 países. Na América Latina atua em 25 países com mais de 100 pontos de serviços. O grupo fabrica guindastes articulados, florestais e sucateiros, para inspeção de pontes e sobre esteiras; plataformas aéreas e elevatórias de cargas, sistemas ferroviários, equipamentos roll-on / roll-off, elevadores veiculares e empilhadeiras, além de uma linha para o mercado marítimo.
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO