Porto Alegre, quarta-feira, 24 de novembro de 2021.
Porto Alegre,
quarta-feira, 24 de novembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 24/11/2021 às 15h51min.

Campos Neto: Momento atual é único, com importação de inflação e inflação local

"O Banco Central entende que lida com uma crise sem precedentes", afirmou o presidente do BC

"O Banco Central entende que lida com uma crise sem precedentes", afirmou o presidente do BC


JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, considerou nesta quarta-feira (24) que o Brasil passa por um "momento único" no qual a inflação sofre a pressão dupla do aumento de preços tanto no País quanto no exterior.
O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, considerou nesta quarta-feira (24) que o Brasil passa por um "momento único" no qual a inflação sofre a pressão dupla do aumento de preços tanto no País quanto no exterior.
"O momento atual é único, com importação de inflação e inflação local", comentou Campos Neto durante participação em evento do Bank of America, onde apresentou um quadro de inflação disseminada e de desancoragem das expectativas. "O Banco Central entende que lida com uma crise sem precedentes", acrescentou.
O presidente do BC considerou, por outro lado, que a política monetária se tornou mais potente sem a pressão que era exercida por subsídios de crédito que foram retirados.
Segundo Campos Neto, mesmo com a volta dos serviços, a demanda por bens tem sido persistente e gera inflação no mundo, dado também que a oferta é limitada por gargalos de produção, como a escassez de componentes e a limitação na geração de energia. "Não sabemos se é uma mudança estrutural de maior consumo de bens."
Ao falar sobre a inflação no Brasil, Campos Neto voltou a dizer que, com os preços de serviços perto da média de emergentes, a inflação está mais disseminada. Desta vez, no entanto, foi mais enfático ao reconhecer que o desvio das expectativas em relação à meta central do ano que vem ganhou terreno.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO