Porto Alegre, terça-feira, 05 de outubro de 2021.
Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa. Feriado nos estados do Amapá, Roraima e Tocantins.
Porto Alegre,
terça-feira, 05 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 05/10/2021 às 15h49min.

Ouro fecha em queda, com alta nos juros dos Treasuries e do dólar ante rivais

Na Comex, o ouro com entrega prevista para dezembro recuou 0,38%, a US$ 1.760,90 por onça-troy

Na Comex, o ouro com entrega prevista para dezembro recuou 0,38%, a US$ 1.760,90 por onça-troy


XB100 VIA FREEPIK/DIVULGAÇÃO/JC
O ouro fechou em queda nesta terça-feira (5), após acumular três sessões de alta no mercado futuro. O metal precioso foi pressionado pela alta do dólar ante rivais e pelo avanço dos juros dos Treasuries. A moeda norte-americana, quando valorizada, encarece a commodity e a torna menos atraente a operadores que negociam com outras divisas.
O ouro fechou em queda nesta terça-feira (5), após acumular três sessões de alta no mercado futuro. O metal precioso foi pressionado pela alta do dólar ante rivais e pelo avanço dos juros dos Treasuries. A moeda norte-americana, quando valorizada, encarece a commodity e a torna menos atraente a operadores que negociam com outras divisas.
Já a alta nos juros da renda fixa americana tendem a prejudicar o ouro, pois ambos concorrem como ativos de segurança do mercado.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega prevista para dezembro recuou 0,38%, a US$ 1.760,90 por onça-troy.
Além da pressão do câmbio e dos Treasuries, a crise energética na China, que nesta terça ajudou a derrubar o cobre, também foi sentida nas negociações do metal precioso, de acordo com o TD Securities.
O banco de investimentos canadense, no entanto, afirma que o ouro pode ser um bom ativo para fazer hedge, à medida que a crise de energia na China afeta a produção de bens de consumo e as cadeias de suprimentos na Ásia e na Europa, "alimentando preocupações sobre estagflação" na economia global.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO