Porto Alegre, terça-feira, 21 de setembro de 2021.
Dia da Árvore. Dia do Radialista e do Fazendeiro.
Porto Alegre,
terça-feira, 21 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Logística

- Publicada em 19h22min, 21/09/2021.

Duplicação da BR-386 entre Marques de Souza e Lajeado será finalizada no primeiro semestre de 2023

Total do trecho a ser trabalhado entre os dois municípios compreende 20,3 quilômetros

Total do trecho a ser trabalhado entre os dois municípios compreende 20,3 quilômetros


CCR viasul/divulgação/jc
Jefferson Klein
Dividida em cinco lotes, a duplicação da BR-386 entre Lajeado e Carazinho, que envolverá 165,9 quilômetros e será concluída até 2030, já teve as obras no primeiro trecho a ser feito iniciadas: entre Marques de Souza e Lajeado. O coordenador de engenharia da CCR ViaSul, Fábio Hirsch, adianta que os 20,3 quilômetros desse segmento deverão ser finalizados até o primeiro semestre de 2023.
Dividida em cinco lotes, a duplicação da BR-386 entre Lajeado e Carazinho, que envolverá 165,9 quilômetros e será concluída até 2030, já teve as obras no primeiro trecho a ser feito iniciadas: entre Marques de Souza e Lajeado. O coordenador de engenharia da CCR ViaSul, Fábio Hirsch, adianta que os 20,3 quilômetros desse segmento deverão ser finalizados até o primeiro semestre de 2023.
Posteriormente, em ordem cronológica, serão desenvolvidos os segmentos de Fontoura Xavier até Soledade (25,6 km), de Soledade até Tio Hugo (30,5 km), de Marques de Souza até Fontoura Xavier (54,9 km), e, por fim, de Tio Hugo até Carazinho (34,6 km). A iniciativa é uma contrapartida da CCR ViaSul, que detém a concessão de 473,4 quilômetros distribuídos por quatro rodovias no Rio Grande do Sul (BRs 386, 448, 290 e 101).
Apenas na duplicação entre Marques de Souza e Lajeado a companhia investirá aproximadamente R$ 300 milhões. Hirsch informa que ainda não se tem um número definitivo quanto ao montante total para concluir os 165,9 quilômetros até Carazinho. O coordenador de engenharia da CCR ViaSul explica que a complexidade da etapa inicial faz com que o aporte necessário seja elevado. “Esse primeiro trecho tem uma grande quantidade de obras de arte, como pontes. Em 20 quilômetros temos seis pontes novas a serem feitas e mais seis que serão alargadas”, frisa Hirsch.
Na área de Lajeado, também serão implantados mais quadro viadutos. Somam-se a essas ações as detonações de rochas com explosivos que totalizarão cerca de 200 mil metros cúbicos de material rochoso a serem removidos. Conforme o integrante da CCR ViaSul, até dezembro a estimativa é de que sejam feitas, em média, três detonações por semana.
Hirsch salienta ainda que atualmente as obras de duplicação estão gerando em torno de 400 empregos diretos e mais cerca de 200 indiretos. Essa movimentação de pessoas também fortalece a economia da região. O prefeito de Marques de Souza, Fábio Mertz, confirma que o empreendimento já reflete no aquecimento no setor imobiliário do município. Ele acrescenta que muitos dos funcionários do Grupo Eurovias, que está prestando serviço para a CCR ViaSul, acabam aproveitando o comércio, propiciando renda para a população local. Os trabalhos de duplicação da estrada desenvolvidos dentro da área do município também geram ISS para a cidade. Outra vantagem apontada é a perspectiva de que a melhoria da rodovia facilite a atração de empresas e indústrias. “A gente vê uma grande expansão do município daqui para frente”, projeta o prefeito.
O dirigente ressalta que a duplicação significará mais segurança e rapidez para os motoristas que trafegam na região e acrescenta que a via é uma das principais rotas para o deslocamento de grãos do Rio Grande do Sul. Por sua vez, o prefeito de Lajeado, Marcelo Caumo, concorda que a iniciativa ampliará a segurança no trânsito da estrada, que terá acessos e retornos mais adequados.
Ele cita ainda a possibilidade da diminuição de custos para quem traz produtos para o Vale do Taquari vindo do Norte do Estado ou para quem escoa produtos da região, em razão da redução da manutenção de veículos e tráfego mais regular. “E amplia o potencial de atratividade de investimentos para as áreas junto à BR, que serão de interesse ainda maior para investidores que desejem aproveitar o movimento que uma rodovia duplicada atrai para uma cidade”, comenta Caumo.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário