Porto Alegre, quarta-feira, 15 de setembro de 2021.
Dia do Cliente.
Porto Alegre,
quarta-feira, 15 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 14h12min, 15/09/2021.

Bolsas da Europa fecham em queda com incerteza sobre economia global

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia com perda de 0,80%, a 463,91 pontos

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia com perda de 0,80%, a 463,91 pontos


/DIVULGAÇÃO/JC
As bolsas da Europa fecharam em queda nesta quarta-feira (15) após a divulgação de dados de atividade da China abaixo do esperado por analistas reforçar o cenário de incerteza sobre a economia global. Ações de energia, contudo, foram beneficiadas pela alta no preço do petróleo e avançaram. Nesse cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia com perda de 0,80%, a 463,91 pontos.
As bolsas da Europa fecharam em queda nesta quarta-feira (15) após a divulgação de dados de atividade da China abaixo do esperado por analistas reforçar o cenário de incerteza sobre a economia global. Ações de energia, contudo, foram beneficiadas pela alta no preço do petróleo e avançaram. Nesse cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia com perda de 0,80%, a 463,91 pontos.
Em Londres, o FTSE 100 teve baixa de 0,25%, a 7.016,49 pontos, na mínima do dia. Os papéis da petroleira BP, contudo, subiram 3,08% e as da Royal Dutch Shell, 1,65%. Na visão do analista-chefe de mercados da CMC, Michael Hewson, as petroleiras têm se beneficiado do aumento de preços do gás natural e do petróleo.
Por outro lado, Hewson afirma que a disparada nos preços de energia em toda a Europa deixa as perspectivas econômicas mais incertas, principalmente porque pode elevar a inflação e forçar uma atuação dos bancos centrais. "O fato é que a recuperação que parecia tão sólida há alguns meses está começando a dar sinais de desaceleração acentuada", diz o economista.
Na China, maior economia do mundo, a atividade econômica também enfrenta obstáculos. As vendas no varejo, impactadas pelo avanço da variante delta, cresceram 2,5% em agosto, na comparação anual, bem abaixo da previsão de 6,3% dos analistas consultados pelo Wall Street Journal.
Por isso, o Citi cortou a projeção para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) do país asiático neste ano, de 8,7% para 8,2%.
Também divulgada nesta quarta, a inflação ao consumidor no Reino Unido teve alta anual de 3,2% em agosto.
Em outras praças, o índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, recuou 0,68%, a 15.616,00 pontos.
Em Paris, o índice CAC 40 caiu 1,04%, a 6.583,62 pontos. Ligadas ao crescimento econômico, as ações da Renault cederam 0,72% e as da Airbus, 0,40%.
O FTSE MIB, de Milão, por sua vez, perdeu 1,02%, a 25.762,10 pontos.
Nas praças ibéricas, o índice PSI 20, de Lisboa, registrou perda de 0,78%, a 5.347,99 pontos, e o Ibex 35, de Madri, recuou 1,65%, a 8.635,40 pontos.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário