Porto Alegre, segunda-feira, 23 de agosto de 2021.
Porto Alegre,
segunda-feira, 23 de agosto de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 13h59min, 23/08/2021.

Bolsas da Europa fecham em alta, com maior apetite por risco e dados da região

O índice pan-europeu Stoxx600 avançou 0,66%, a 471,88 pontos

O índice pan-europeu Stoxx600 avançou 0,66%, a 471,88 pontos


/DIVULGAÇÃO/JC
As principais bolsas da Europa fecharam em alta nesta segunda-feira (23) após uma sessão estável em território positivo, com o apetite a risco alimentado pelas perdas registradas na semana passada. O mercado deixou em segundo plano as preocupações com o avanço da Covid-19 e os dados fracos de atividade divulgados no início dos negócios. O índice pan-europeu Stoxx600 avançou 0,66%, a 471,88 pontos.
As principais bolsas da Europa fecharam em alta nesta segunda-feira (23) após uma sessão estável em território positivo, com o apetite a risco alimentado pelas perdas registradas na semana passada. O mercado deixou em segundo plano as preocupações com o avanço da Covid-19 e os dados fracos de atividade divulgados no início dos negócios. O índice pan-europeu Stoxx600 avançou 0,66%, a 471,88 pontos.
"Os mercados europeus tiveram um início de semana bastante positivo, na esteira do avanço na Ásia, com um dólar mais fraco e preços de commodities mais firmes, o que ajuda a empurrar as ações de energia e recursos básicos de suas baixas recentes, com BP (+2,48%), Royal Dutch Shell (+2,19%) e Glencore (+2,55%) com desempenho positivo, assim como Tesco (+2,03%)", diz o analista-chefe de CMC Markets, Michael Hewson.
O FTSE 100, em Londres, fechou com alta de 0,30%, a 7.109,02 pontos. A ação que mais subiu foi a da Sainsbury, com avanço de 15,37%, após notícias durante o fim de semana sugerirem o interesse do Apollo Group na rede de supermercados.
Em Frankfurt, o DAX teve alta de 0,28%, a 15.852,79 pontos, e em Paris, o CAC 40 subiu 0,86%, a 6.683,10 pontos.
Os dados fracos dos índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da região não afugentaram os investidores. Na zona do euro, o PMI composto caiu de 60,2 em julho para 59,5 em agosto, em linha com a expectativa de analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal. Os dados preliminares foram divulgados hoje pela Comissão Europeia. Para o Morgan Stanley, o ritmo de expansão da atividade econômica continua "impressionante" na região.
Já o resultado preliminar do PMI industrial da Alemanha recuou de 65,9 para 62,7 no mesmo período, tendo atingido o menor nível em seis meses. O indicador, elaborado pelo IHS Markit, ficou bem abaixo da previsão dos analistas, o que provocou redução das altas dos índices acionários. Ainda na Alemanha, o banco central, Bundersbank, informou nesta segunda-feira que a inflação alemã deve continuar subindo nos próximos meses, antes de cair "notadamente" a partir do início de 2022.
No Reino Unido, o PMI composto recuou de 65,9 para 62,7 em agosto ante julho, na versão preliminar, também no nível mais baixo dos últimos seis meses, e ficou aquém da expectativa de analistas. A informação é do IHS Markit. Na análise da Capital Economics, o resultado sugere que a economia britânica está desacelerando mais rapidamente do que o esperado. "Isso representa um risco negativo para nossa previsão de que a economia retornará ao seu nível pré-pandemia em outubro", diz a consultoria.
Em Milão, o FTSE MIB subiu 0,49%, a 26.046,03 pontos.
Em Madri, o IBEX 35 teve alta de 0,59%, a 8.968,10 pontos.
Em Lisboa, o PSI 20 avançou 0,42%, a 5.359,64 pontos.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário