Porto Alegre, quinta-feira, 22 de julho de 2021.
Porto Alegre,
quinta-feira, 22 de julho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

contas públicas

- Publicada em 17h56min, 22/07/2021.

Déficit primário projetado em 2021 é de R$ 155,418 bilhões

Queda do saldo negativo previsto é representativa, afirma Ariosto Culau

Queda do saldo negativo previsto é representativa, afirma Ariosto Culau


EDU ANDRADE/Ascom/ME/JC
O secretário de Orçamento Federal, Ariosto Antunes Culau, avaliou nesta quinta-feira (22), que a queda do déficit primário projetado em 2021 é representativa. A nova estimativa de déficit primário total de 2021 é de R$ 155,418 bilhões, conforme o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 3º bimestre, divulgado nesta quinta-feira. No relatório bimestral publicado em maio, a estimativa de rombo total era de R$ 187,683 bilhões. A meta de resultado primário do Governo Central deste ano é de saldo negativo de até R$ 247,1 bilhões.
O secretário de Orçamento Federal, Ariosto Antunes Culau, avaliou nesta quinta-feira (22), que a queda do déficit primário projetado em 2021 é representativa. A nova estimativa de déficit primário total de 2021 é de R$ 155,418 bilhões, conforme o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 3º bimestre, divulgado nesta quinta-feira. No relatório bimestral publicado em maio, a estimativa de rombo total era de R$ 187,683 bilhões. A meta de resultado primário do Governo Central deste ano é de saldo negativo de até R$ 247,1 bilhões.
Culau destacou também a nova margem de R$ 12,303 bilhões para o limite de R$ 1,485 trilhão do teto de gastos. Nessa folga está incluída a economia de R$ 9,463 bilhões com o pagamento de benefícios do Bolsa Família para os beneficiários que recebem o auxílio emergencial. Sem essa rubrica - que tem a execução limitada por um acórdão com o Tribunal de Contas da União (TCU) -, o espaço para o teto é de R$ 2,807 bilhões. Com essa folga, o governo pôde desbloquear os R$ 4,5 bilhões no orçamento deste ano, que até o relatório anterior excediam o limite do teto de gastos. "Estamos revertendo todos os bloqueios dos órgãos que tínhamos até então por força do cumprimento do teto de gastos", acrescentou.
"Fizemos uma reavaliação de várias despesas estimadas para o ano, possibilitando a abertura desse espaço", completou Culau.
A maior parte dos recursos bloqueados é do Ministério da Educação (R$ 1,6 bilhão), mas a suspensão das verbas também atingiu outros ministérios de forma pulverizada: Agricultura (R$ 80 milhões), Cidadania (R$ 205 milhões), Ciência e Tecnologia (R$ 255 milhões), Comunicações (R$ 145 milhões), Defesa (R$ 672 milhões), Desenvolvimento Regional (R$ 383 milhões), Economia (R$ 831 milhões), Infraestrutura (R$ 40 milhões), Justiça (R$ 3 milhões), Minas e Energia (R$ 90 milhões), Presidência (R$ 36 milhões), Relações Exteriores (R$ 143 milhões), Saúde (R$ 26 milhões) e Turismo (R$ 56 milhões).
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário