Porto Alegre, sexta-feira, 23 de julho de 2021.
Porto Alegre,
sexta-feira, 23 de julho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 13h49min, 19/07/2021. Atualizada em 17h20min, 23/07/2021.

Vendas no varejo avançam 1,9% em junho ante maio, aponta Boa Vista

Ante junho de 2020, o aumento é de 9,20%, reduzindo a queda em 12 meses a 1%

Ante junho de 2020, o aumento é de 9,20%, reduzindo a queda em 12 meses a 1%


MARIANA ALVES/JC
As vendas no varejo no País avançaram 1,9% em junho ante maio, com ajuste sazonal, de acordo com o Indicador de Movimento do Comércio da Boa Vista. Ante junho de 2020, houve aumento de 9,20%, reduzindo a queda em 12 meses a 1,0%, de recuo de 1,70% até maio. Em 2021, o crescimento é de 1,90%.
As vendas no varejo no País avançaram 1,9% em junho ante maio, com ajuste sazonal, de acordo com o Indicador de Movimento do Comércio da Boa Vista. Ante junho de 2020, houve aumento de 9,20%, reduzindo a queda em 12 meses a 1,0%, de recuo de 1,70% até maio. Em 2021, o crescimento é de 1,90%.
A Boa Vista afirma que o resultado de junho está alinhado com o aumento da confiança no setor. "Vale ressaltar, ainda, que no mês de junho do ano passado, os efeitos mais severos do início da pandemia já estavam, praticamente, dissipados, tanto que a Pesquisa Mensal do Comércio havia registrado leve alta, de 0,6%, em relação a junho de 2019", destaca a instituição.
Segundo a Boa Vista, com o efeito base da queda pronunciada em 2020 ficando para trás, o que deve impulsionar o varejo nos próximos meses são algumas demandas que ficaram mais reprimidas ao longo dos últimos meses. Mas a instituição diz que esse impulso pode ser passageiro, uma que vez que o cenário para o consumidor ainda não é dos melhores.
"O cronograma de vacinação contou com duas antecipações nas últimas semanas, algo que, certamente, animou um pouco mais o mercado; contudo, diante de um nível médio de preços mais alto, bem como da expectativa de elevação ainda maior nas taxas de juros, chegou a hora do mercado de trabalho dar sinais de recuperação, possibilitando ao varejo continuar em ritmo acelerado ou, ao menos, não perder o embalo."
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário