Porto Alegre, sexta-feira, 18 de junho de 2021.
Porto Alegre,
sexta-feira, 18 de junho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h30min, 18/06/2021.

Ouro fecha em queda no dia e perde quase 6% na semana

Ouro com entrega prevista para agosto recuou 0,33%, a US$ 1.769,00 por onça-troy

Ouro com entrega prevista para agosto recuou 0,33%, a US$ 1.769,00 por onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O contrato futuro de ouro fechou em baixa nesta sexta-feira (18) e perdeu quase 6% na semana, prejudicado pelo dólar forte em meio a especulações de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) pode antecipar o ciclo de aperto da política monetária, após decisão considerada da última quarta-feira.
O contrato futuro de ouro fechou em baixa nesta sexta-feira (18) e perdeu quase 6% na semana, prejudicado pelo dólar forte em meio a especulações de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) pode antecipar o ciclo de aperto da política monetária, após decisão considerada da última quarta-feira.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega prevista para agosto recuou 0,33%, a US$ 1.769,00 por onça-troy, perda de 5,89% na semana - a mais acentuada desde o início da pandemia.
O presidente da distrital de St. Louis do Fed, James Bullard, afirmou à CNBC que espera uma alta de juros no final de 2022 e que o BC dos Estados Unidos "abriu oficialmente" o debate sobre retirada de estímulos, conhecido como "tapering".
A previsão contraria a visão majoritária entre o dirigentes da instituição, que projetam o primeiro aumento em 2023, conforme mostrou o gráfico de pontos divulgado na quarta.
Os comentários intensificaram a busca pelo dólar, que se encareceu e impôs pressão a commodities. Após a decisão do Fed, os juros dos Treasuries também tiveram forte alta, embora o movimento tenha se revertido no dia seguinte. "A combinação de dólar firme e juros dos Treasuries altos é uma carga pesada ao ouro", avalia o Commerzbank.
O banco, no entanto, pondera que o quadro não justifica a escala da desvalorização dos últimos dias. Isso porque o prazo de dois anos para elevação de juros é muito longo para causar um impacto material no mercado hoje. "Mantemos nossa previsão de ouro a US$ 2 mil no final do ano. No entanto, o risco negativo para essa projeção aumentou", explica a instituição financeira.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário