Porto Alegre, sexta-feira, 07 de maio de 2021.
Porto Alegre,
sexta-feira, 07 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Plásticos

- Publicada em 14h54min, 06/05/2021. Atualizada em 16h08min, 07/05/2021.

Braskem manifesta desinteresse em eventual alienação da Innova

Principal grupo petroquímico do País registra lucro de cerca de R$ 2,5 bilhões no primeiro trimestre do ano

Principal grupo petroquímico do País registra lucro de cerca de R$ 2,5 bilhões no primeiro trimestre do ano


DANIEL TEIXEIRA/AE/JC
Jefferson Klein
Uma consequência da recente decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) de reprovar a compra da Innova, que possui unidade de produção de resinas termoplásticas em Triunfo, pela Videolar é que a empresa deverá ser devolvida para a Petrobras ou repassada para outra companhia. Apesar da oportunidade que se apresenta ao mercado, a Braskem, maior grupo petroquímico brasileiro e do polo gaúcho, não teria, em princípio, interesse em adquirir esse ativo.
Uma consequência da recente decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) de reprovar a compra da Innova, que possui unidade de produção de resinas termoplásticas em Triunfo, pela Videolar é que a empresa deverá ser devolvida para a Petrobras ou repassada para outra companhia. Apesar da oportunidade que se apresenta ao mercado, a Braskem, maior grupo petroquímico brasileiro e do polo gaúcho, não teria, em princípio, interesse em adquirir esse ativo.
“Obviamente se esse processo caminhar dessa forma, a gente deve avaliar se vai olhar ou não, mas o nosso escopo de negócio são resinas como polietileno, polipropileno e PVC e químicos básicos e a Innova está em outra cadeia, de estireno e poliestireno, que não é bem o nosso negócio”, frisa o vice-presidente de finanças, suprimentos e relações institucionais da Braskem, Pedro Freitas. O executivo participou nessa quinta-feira (6) de teleconferência para apresentar os resultados financeiros da empresa no primeiro trimestre de 2021, quando a companhia registrou lucro líquido de aproximadamente R$ 2,5 bilhões, 195% superior ao trimestre anterior.
Outro ponto salientado por Freitas foi o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciacao e amortizacao) de R$ 6,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, o que representa 54% acima do trimestre anterior e um recorde histórico da Braskem levando em conta o período de três meses. O vice-presidente de finanças explica que o resultado é devido, principalmente, às margens internacionais dos produtos petroquímicos em regiões como os Estados Unidos, Europa e México.
Freitas adianta que a perspectiva é que o mercado de resinas termoplásticas no Brasil registre em 2021 um crescimento de 5% a 6% e no cenário global algo entre 3% a 5%. Um dos segmentos que deve influenciar esse incremento é o de embalagens, que consome polietilenos. Sobre as ações que a Braskem está adotando devido aos impactos causados pela extração de sal gema em Alagoas, atividade que foi considerada a responsável pelo afundamento do solo em vários pontos de Maceió, o executivo informa que tem avançado o atendimento da população atingida. Segundo ele, o Programa de Compensação Financeira e Apoio a Realocação apresentou 6.122 propostas de indenização, sendo que 99,8% delas foram aceitas.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário