Porto Alegre, terça-feira, 27 de abril de 2021.
Porto Alegre,
terça-feira, 27 de abril de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Crédito

- Publicada em 03h00min, 27/04/2021.

Crédito via Maquininha movimenta R$ 3,19 bilhões em menos de dois meses

O Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac) Maquininhas, criado pelo governo federal para aumentar a concessão de crédito para os pequenos negócios, conseguiu em menos de dois meses de operação beneficiar mais de 112 mil donos de pequenos negócios com um volume de crédito de aproximadamente R$ 3,19 bilhões. O programa, que entrou em operação em outubro do ano passado, foi encerrado em dezembro, respeitando o prazo estipulado pela lei de criação.
O Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac) Maquininhas, criado pelo governo federal para aumentar a concessão de crédito para os pequenos negócios, conseguiu em menos de dois meses de operação beneficiar mais de 112 mil donos de pequenos negócios com um volume de crédito de aproximadamente R$ 3,19 bilhões. O programa, que entrou em operação em outubro do ano passado, foi encerrado em dezembro, respeitando o prazo estipulado pela lei de criação.
Os principais beneficiários dessa modalidade de empréstimo, feita por meio das maquininhas de cartão de crédito, foram os microempreendedores individuais (MEI) e os donos de micro empresas. "Esse programa emergencial teve uma característica muito importante, pois permitiu o acesso a crédito de empresas sem histórico de operações bancárias em todos os estados. Também conseguiu atingir uma parcela significativa do Norte e Nordeste, descentralizando a concessão de empréstimo, que geralmente é focada nas demais regiões", frisou o analista de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae, Giovanni Beviláqua.
De acordo com estudo do Ministério da Economia, o Peac-Maquininhas representou o único crédito durante o último trimestre de 2020 para 18% dos microempreendedores individuais, 4% das microempresas e 2% das empresas de pequeno porte, que utilizaram exclusivamente esse programa de financiamento. "Quanto menor o porte da empresa, maior a dificuldade na obtenção de crédito. Essa modalidade de empréstimo foi muito importante para os MEI", complementa Beviláqua.
Apenas empresas com histórico de vendas por maquininhas de cartão de crédito puderam acessar essa modalidade de financiamento e o valor dos créditos era limitado ao dobro da média mensal de vendas e prestações de serviços recebidos por meio das máquinas, com teto de R$ 50 mil. As instituições financeiras puderam conceder crédito no âmbito do programa até 31 de dezembro de 2020, com juros de 6% ao ano. Além disso, quem recebeu o crédito tem carência de seis meses para começar a pagar e prazo de até 30 meses.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário