Porto Alegre, quinta-feira, 15 de abril de 2021.
Dia Nacional da Conservação do Solo. Dia Mundial do Desenhista.
Porto Alegre,
quinta-feira, 15 de abril de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 17h54min, 15/04/2021.

Dólar tem terceira queda seguida e recua a R$ 5,62 com EUA no foco

Já o dólar para maio era negociado em queda de 0,54% às 17h26, a R$ 5,6285

Já o dólar para maio era negociado em queda de 0,54% às 17h26, a R$ 5,6285


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
O dólar teve a terceira sessão seguida de queda nesta quinta-feira (15) novamente com influência maior do mercado externo. Em novo dia sem maiores novidades sobre o impasse do Orçamento deste ano, o governo apresentou as diretrizes para o de 2022. Mas o ambiente de busca por risco de emergentes, em meio a nova rodada de indicadores fortes da economia dos Estados Unidos e bons balanços corporativos americanos, especialmente de bancos, ajudaram a fortalecer as moedas da região, na medida em que os juros longos americanos ficaram comportados, e o real se alinhou aos pares. Houve ainda relatos de fluxos de entradas para o Brasil, influenciado por exportação da safra de grãos, além de aportes na renda fixa e bolsa.
O dólar teve a terceira sessão seguida de queda nesta quinta-feira (15) novamente com influência maior do mercado externo. Em novo dia sem maiores novidades sobre o impasse do Orçamento deste ano, o governo apresentou as diretrizes para o de 2022. Mas o ambiente de busca por risco de emergentes, em meio a nova rodada de indicadores fortes da economia dos Estados Unidos e bons balanços corporativos americanos, especialmente de bancos, ajudaram a fortalecer as moedas da região, na medida em que os juros longos americanos ficaram comportados, e o real se alinhou aos pares. Houve ainda relatos de fluxos de entradas para o Brasil, influenciado por exportação da safra de grãos, além de aportes na renda fixa e bolsa.
No fechamento, o dólar à vista encerrou o dia em baixa de 0,75%, a R$ 5,6281. Já o dólar para maio era negociado em queda de 0,54% às 17h26, a R$ 5,6285.
"O fator mais determinante hoje para o câmbio foi o movimento global de moedas", avalia a economista-chefe da Armor Capital, Andrea Damico.
As moedas de emergentes ganharam força ante o dólar, com o alívio nas taxas de retorno (yields) dos juros longos americanos, mesmo com os indicadores superando as previsões, levando as bolsas em Nova York a novos recordes históricos. As vendas no varejo dos EUA subiram 9,8% em março, acima dos 6,1% esperados pelos economistas em Wall Street. Já os pedidos de auxílio-desemprego caíram para 576 mil, o menor nível do indicador desde 14 de março de 2020. A expectativa era de que ficassem em 710 mil.
O avanço da vacinação nos EUA e o pacote de estímulo fiscal do presidente norte-americano, Joe Biden, estão começando a mostrar seus resultados na economia, comentam os estrategistas da americana LPL Financial.
Em um ambiente de mais propensão a tomar risco, operadores reportaram entrada de capital para o Brasil, nesta quinta-feira mais para a renda fixa. Também houve relatos de mais fluxos comercial, por conta da exportação da safra agrícola, que tende a se intensificar em abril e maio. Mas mesmo com este fluxo, um diretor de tesouraria observa que a questão do Orçamento de 2021, que na quarta e nesta quinta ficou em segundo plano, pode ter peso mais determinante nas cotações, considerando que o prazo oficial para o presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionar o texto, até 22 de abril, está terminando. A melhora recente do real pode ser temporária, diz ele.
O presidente brasileiro está em uma encruzilhada na questão do Orçamento, avalia a consultoria internacional TS Lombard. Se Bolsonaro assinar o texto, estará cometendo uma ação que pode torná-lo alvo de uma processo de impeachment. Se vetar, seu apoio no Congresso despenca. Não só Bolsonaro, mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, também está em uma posição desconfortável e tem feito pouco progresso em avançar as negociações, observam os analistas de Brasil da TS, Elizabeth Johnson, Wilson Ferrarezi, em relatório.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário