Porto Alegre, sexta-feira, 19 de março de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 19 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 16h02min, 19/03/2021.

Ouro fecha em alta, apoiado por pausa na curva de juros dos Treasuries

Ouro com entrega prevista para abril subiu 0,53%, a US$ 1.741,7 a onça-troy

Ouro com entrega prevista para abril subiu 0,53%, a US$ 1.741,7 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O ouro fechou em queda nesta sexta-feira (19) apoiado pela queda nos juros dos Treasuries, embora o mercado de renda fixa americano opere com certa volatilidade. Nas últimas semanas, a inclinação da curva de rendimento dos títulos da dívida pública dos Estados Unidos pressionou o ouro porque, dessa forma, o metal precioso fica menos atrativo para os investidores.
O ouro fechou em queda nesta sexta-feira (19) apoiado pela queda nos juros dos Treasuries, embora o mercado de renda fixa americano opere com certa volatilidade. Nas últimas semanas, a inclinação da curva de rendimento dos títulos da dívida pública dos Estados Unidos pressionou o ouro porque, dessa forma, o metal precioso fica menos atrativo para os investidores.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega prevista para abril subiu 0,53%, a US$ 1.741,7 a onça-troy. Na comparação semanal, o metal precioso registrou ganho de 2,54%.
"O ouro está começando a atrair alguns investidores porque o aumento dos rendimentos dos Treasuries certamente será neutralizado pela ação do Fed", afirma o analista de mercado financeiro Edward Moya, da OANDA. De acordo com o profissional, será "complicado" identificar nos próximos meses quais serão os principais catalisadores para a compra do metal precioso. Moya destaca, contudo, que Wall Street permanecerá focado na liquidação no mercado de Treasuries.
Hoje, a decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de não renovar uma regra temporária que aliviava as exigências de reservas dos grandes americanos gerou volatilidade na renda fixa.
Para o chefe de Pesquisa em Commodity do Commerzbank, Eugen Weinberg, há um "cabo de guerra" no mercado de ouro entre a alta dos rendimentos dos Treasuries, que pesam sobre o metal, e certa aversão a risco nos mercados acionários, que tende a dar suporte ao ouro.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO