Porto Alegre, quinta-feira, 18 de março de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 18 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Bancos

- Publicada em 14h27min, 18/03/2021. Atualizada em 20h19min, 18/03/2021.

Leite descarta privatização do Banrisul em seu governo, caso caia plebiscito das estatais

'O governo não tem perspectiva de encaminhar a privatização do Banrisul', disse Leite

'O governo não tem perspectiva de encaminhar a privatização do Banrisul', disse Leite


FELIPE DALLA VALLE/PALÁCIO PIRATINI/DIVULGAÇÃO/JC
Patrícia Comunello
"O governo não tem perspectiva de encaminhar a privatização do Banrisul." A garantia foi dada pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, ao responder ao questionamento se, ao pedir que a Assembleia Legislativa vote a retirada da exigência de plebiscito para a venda de estatais, não abriria chance para encaminhar a venda do banco.
"O governo não tem perspectiva de encaminhar a privatização do Banrisul." A garantia foi dada pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, ao responder ao questionamento se, ao pedir que a Assembleia Legislativa vote a retirada da exigência de plebiscito para a venda de estatais, não abriria chance para encaminhar a venda do banco.
A medida será encaminhada para obter o aval à venda da Corsan, anunciou Leite, nesta quinta-feira (18). 
Proposta de Emenda Constittucional (PEC) de autoria do deputado estadual Sérgio Turra prevê o fim da consulta a todas as estatais. O governo já pediu ao deputado para seja agilizada a apreciação do parecer sobre a PEC na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). 
O encaminhamento foi comunicado por Leite para obter o aval para a venda do controle acionária da Corsan por meio de abertura de capital na bolsa de valores, chamado de IPO.  
"Não deve ser levada", disse Leite, sobre a intenção de que o alcance da liberação se estenda ao banco. "Este debate pode ser feito em outro governo." 
"A retirada deve ser feita sobre outra empresa. Deixamos claro que o que o governo encaminha é a da Corsan por causa do marco regulatório do saneamento", detalhou o governador, ao falar sobre a proposta em transmissão ao vivo pelas redes sociais.
"Neste governo, não pretendemos fazer (debate sobre a venda do banco). Mas é um tema para o futuro devido a mudanças no setor bancário, com crescimento de bancos digitais que vão afetando a operação do sistema financeiro tradicional. "Essa discussão fica mais para frente", completou Leite, indicadno que é pauta para outro governo.
"O Banrisul acaba não entrando nesta oportunidade. Deixo claro que é a Corsan que estamos encaminhando. O que não impede que se debrucem sobre a proposta (do Banrisul)", sugeriu o governador.
A venda ou não do Banrisul é um dos temas mais sensíveis entre os gaúchos. Na campanha ao governo em 2018, Leite descartou a privatização.
Há um consenso, que já vinha desde o governo do antecessor José Ivo Sartori (MDB, 2015-2018), de que não haveria apoio popular à medida. No governo Sartori, lotes grandes de ações preferenciais, sem direito a voto, chegaram a ser vendidos no mercado. A receita foi usada para socorrer o caixa.
Uma tentativa de venda de parte das ações ordinárias com direito a voto, no limite para não comprometer o controle do capital do Estado, não foi adiante, após o recuo do governo Leite, em setembro de 2019. O governador afirmou, na época, que não venderia o patrimônio a qualquer preço
Comentários CORRIGIR TEXTO