Porto Alegre, sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021.
Dia do Esportista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Petróleo

- Publicada em 19h37min, 19/02/2021. Atualizada em 20h23min, 19/02/2021.

Bolsonaro indica general para presidência da Petrobras

Indicação do militar ocorre em meio às críticas de Bolsonaro à política de preços da Petrobras

Indicação do militar ocorre em meio às críticas de Bolsonaro à política de preços da Petrobras


ANDRÉ MOTTA DE SOUZA/AGÊNCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
O presidente Jair Bolsonaro indicou o general Joaquim Silva e Luna como novo presidente da Petrobras. Luna é ex-ministro da Defesa e atualmente é diretor-geral da Itaipu Binacional.
O presidente Jair Bolsonaro indicou o general Joaquim Silva e Luna como novo presidente da Petrobras. Luna é ex-ministro da Defesa e atualmente é diretor-geral da Itaipu Binacional.
A indicação do militar ocorre em meio às críticas de Bolsonaro à política de preços da Petrobras e das críticas de caminhoneiros pela alta dos combustíveis.
"O governo decidiu indicar o senhor Joaquim Silva e Luna para cumprir uma nova missão, como conselheiro de administração e presidente da Petrobras, após o encerramento do ciclo, superior a dois anos, do atual presidente, senhor Roberto Castello branco", diz uma nota publicada por Bolsonaro numa rede social.
A decisão foi anunciada após o fechamento do mercado na B3
As ações da estatal perderam R$ 28,2 bilhões em valor de mercado nesta sexta-feira (19), após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciar que iria fazer mudanças na empresa, o que foi interpretado pelo mercado como interferência, apesar do mandatário negar.
"Teremos mudança sim na Petrobras. Jamais vamos interferir nesta grande empresa e na sua política de preços, mas o povo não pode ser surpreendido com certos reajustes", disse Bolsonaro nesta sexta.
As ações preferenciais (mais negociadas) da estatal fecharam em queda de 6,63%, a R$ 27,33 cada. Durante o pregão, chegaram a cair 7,17%.
As ordinárias (com direito a voto) tiveram queda de 7,92%, a R$ 27,10, a maior queda da sessão.
Com a desvalorização, a capitalização da estatal foi de R$ 383 bilhões na véspera para R$ 354,79 bilhões nesta sexta.
Nessa quinta-feira (18), durante sua live semanal, o presidente afirmou que vai ter consequência a fala do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, que dias atrás havia dito que a ameaça de greve de caminhoneiros não era problema da empresa, que reajustou o preço do diesel e da gasolina nesta sexta.
Bolsonaro disse que "não tem quem não ficou chateado com o reajuste" e fez críticas a Castello Branco.
"Você vai em cima da Petrobras, ela fala 'opa, não é obrigação minha'. Ou como disse o presidente da Petrobras, há questão de poucos dias, né, 'eu não tenho nada a ver com caminhoneiro, eu aumento o preço aqui, não tenho nada a ver com caminhoneiro'. Foi o que ele falou, o presidente da Petrobras. Isso vai ter uma consequência, obviamente", disse Bolsonaro.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO