Porto Alegre, quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021.
Aniversário da Casa da Moeda do Brasil.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Petróleo

- Publicada em 17h58min, 11/02/2021.

Petróleo fecha em queda com relatórios da AIE e Opep e encerra ciclo de 8 altas

O Brent para abril recuou 0,54% (-US$ 0,33), a US$ 61,14 o barril

O Brent para abril recuou 0,54% (-US$ 0,33), a US$ 61,14 o barril


SAUDI ARAMCO/DIVULGAÇÃO/JC
Os contratos futuros mais líquidos de petróleo fecharam em baixa nesta quinta-feira (11) após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e a Agência Internacional de Energia (AIE) divulgarem relatórios que reforçaram a fraqueza da commodity energética. Investidores ainda embolsaram lucros, após uma série de oito sessões seguidas de ganhos acumulados do petróleo. A pandemia de coronavírus também pressiona o óleo, que não encontrou apoio mesmo com a perspectiva por estímulo fiscal nos Estados Unidos após dado fraco de pedidos de auxílio-desemprego no país.
Os contratos futuros mais líquidos de petróleo fecharam em baixa nesta quinta-feira (11) após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e a Agência Internacional de Energia (AIE) divulgarem relatórios que reforçaram a fraqueza da commodity energética. Investidores ainda embolsaram lucros, após uma série de oito sessões seguidas de ganhos acumulados do petróleo. A pandemia de coronavírus também pressiona o óleo, que não encontrou apoio mesmo com a perspectiva por estímulo fiscal nos Estados Unidos após dado fraco de pedidos de auxílio-desemprego no país.
O petróleo WTI para março encerrou a sessão com perdas de 0,75% (-US$ 0,44), a US$ 58,24 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). O Brent para abril recuou 0,54% (-US$ 0,33), a US$ 61,14 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).
A Opep cortou nesta quinta-feira a sua previsão de crescimento para a demanda global da commodity energética em 2021 em 110 mil barris por dia na comparação com a sua estimativa anterior, de acordo com relatório do cartel publicado nesta quinta. A AIE também reduziu sua projeção de alta para a demanda por petróleo. Além disso, a entidade ainda elevou a estimativa para a oferta do óleo fora da Opep+, o que pesou sobre os contratos da commodity.
"As condições da demanda continuam a ser uma fonte de preocupação para o mercado no momento, já que a recente tendência de alta parece fortemente dependente de uma recuperação estável da economia durante o ano que vem", disse à Dow Jones Newswires o gerente de pesquisa e análise global da Schneider Electric, Robbie Fraser.
A perspectiva por mais estímulos fiscais nos EUA não ajudou a animar investidores. Nesta quinta, a presidente da Câmara dos Representantes do país, Nancy Pelosi, disse que espera entregar a proposta do pacote fiscal ao Senado até o fim de fevereiro, e ainda afirmou ter esperança de que o texto seja sancionado pelo presidente dos EUA, Joe Biden, até o meio de março.
Ainda pressionando o petróleo, o noticiário da pandemia de covid-19 esteve no radar do mercado. A Alemanha retomou os controles fronteiriços com a Áustria e a República Tcheca pelo alto número de infectados nos dois países, enquanto a Irlanda deve estender seu bloqueio nacional, segundo o primeiro-ministro do país, Micheál Martin.
Em contrapartida, o número de hospitalizações por covid-19 nos EUA reduziu para o menor nível dos últimos três meses, de acordo com o The Wall Street Journal.
*Com informações da Dow Jones Newswires
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO