Porto Alegre, quinta-feira, 04 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 04 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 17h31min, 04/02/2021.

Ouro fecha em queda com menos busca por segurança e valorização do dólar

O ouro para abril caiu 0,24%, a US$ 1.791,2 a onça-troy

O ouro para abril caiu 0,24%, a US$ 1.791,2 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O ouro fechou o pregão desta quinta-feira em queda, pressionado pela força do dólar e em meio a uma menor busca por segurança no mercado. A prata, cujo preço saltou no começo da semana devido à especulação de investidores de varejo, também encerrou a sessão em baixa.
O ouro fechou o pregão desta quinta-feira em queda, pressionado pela força do dólar e em meio a uma menor busca por segurança no mercado. A prata, cujo preço saltou no começo da semana devido à especulação de investidores de varejo, também encerrou a sessão em baixa.
Na Comex, divisão para metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para abril caiu 0,24%, a US$ 1.791,2 a onça-troy, enquanto a prata para março recuou 2,44%, a US$ 26,23 por onça-troy.
Os metais preciosos "estão enfrentando ventos contrários de um dólar mais firme e rendimentos de títulos em alta", de acordo com o analista Carsten Fritsch, do banco alemão Commerzbank.
Quando a moeda americana se valoriza, os preços das commodities se tornam mais caros para detentores de outras divisas, o que reduz a demanda e, consequentemente, o preço.
Nesta quinta-feira, o índice DXY, que mede a variação do dólar contra seis pares, atingiu o maior nível desde dezembro de 2020, impulsionado pela fraqueza do euro.
De acordo com o analista Joe Manimbo, da Western Union, a moeda única é pressionada pela deterioração das perspectivas econômicas na União Europeia.
"O ouro está caindo enquanto a recuperação do dólar continua e a demanda por refúgios seguros diminui", diz o analista de mercado financeiro Edward Moya, da Oanda, em referência ao clima mais ameno no mercado, o que reduz a busca por ativos de segurança como os metais preciosos.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO