Porto Alegre, quarta-feira, 27 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 27 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 19h23min, 27/01/2021. Atualizada em 19h32min, 27/01/2021.

Bolsas de NY fecham em forte queda com aversão a risco e movimentos especulativos

O Dow Jones recuou 2,05%, a 30.303,17 pontos

O Dow Jones recuou 2,05%, a 30.303,17 pontos


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
As bolsas de Nova York fecharam em forte queda no pregão desta quarta-feira, 27. Os índices acionários foram pressionados por preocupações com o ritmo de vacinação contra a Covid-19, resultados corporativos abaixo do esperado, movimentos especulativos de investidores de varejo e comentários do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell.
As bolsas de Nova York fecharam em forte queda no pregão desta quarta-feira, 27. Os índices acionários foram pressionados por preocupações com o ritmo de vacinação contra a Covid-19, resultados corporativos abaixo do esperado, movimentos especulativos de investidores de varejo e comentários do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell.
O Dow Jones recuou 2,05%, a 30.303,17 pontos; o S&P 500 cedeu 2,57%, a 3.750,77 pontos, apagando os ganhos de 2021; e o Nasdaq caiu 2,61%, a 13.270,60 pontos.
A aversão a risco nos mercados globais aumentou após Powell dizer que há "um longo caminho" para alcançar as metas de inflação e emprego. "Ainda há consideráveis riscos de baixa à perspectiva econômica", alertou o dirigente.
Como esperado, a instituição manteve os juros e o volume das compras de ativos na reunião de política monetária realizada nesta quarta.
A avaliação de Powell, contudo, acelerou a migração de investidores da renda variável para ativos mais seguros. O mercado acionário já operava com aversão ao risco. Em grande parte, a volatilidade foi impulsionada por movimentos especulativos de investidores de varejo.
De acordo com a Dow Jones Newswires, interrupções em serviços de várias corretoras foram relatadas na manhã de nesta quarta, após as ações das empresas de entretenimento GameStop e AMC Entertainment Holdings dispararem. No fechamento, os papéis das duas companhias saltaram 134,84% e 301,21%, respectivamente.
Nesta semana, a CNBC revelou que o Melvin Capital, o fundo de hedge mais usado por investidores que são membros da rede social Reddit, havia desmontado sua posição vendida nas ações da GameStop.
Segundo o analista Boris Schlossberg, da BK Asset Management, a "batalha" entre os fundos de hedge profissionais e os operadores de varejo entrou em evidência, e a decisão do Melvin Capital "pode ter marcado um pico especulativo de curto prazo". O índice VIX, que mede a volatilidade em Wall Street, chegou a saltar mais de 30% durante o pregão.
A cautela no exterior também foi sustentada por preocupações com o fornecimento de vacinas contra a Covid-19. A União Europeia, por exemplo, pressiona a AstraZeneca a não reduzir o ritmo de entrega dos imunizantes.
Dentre as empresas que divulgaram balanço nesta quarta, Boeing recuou 3,97% e AT&T caiu 2,05%. As ações da Microsoft, cujo resultado corporativo saiu na terça-feira, subiram 0,25%.
No setor de energia, os papéis das petroleiras Chevron e ExxonMobil cederam 1,30% e 1,13%, respectivamente, após o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciar a suspensão das concessões para exploração de petróleo e gás em terras públicas.
"A mudança climática estará no centro de nossa política externa e de segurança nacional", declarou o democrata em pronunciamento.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO