Porto Alegre, segunda-feira, 01 de fevereiro de 2021.
Dia do Publicitário.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 01 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

- Publicada em 03h00min, 01/02/2021.

Usina térmica em Cambará do Sul já tem licença para nova linha

Unidade será alimentada com materiais como sobras de serrarias, galhos e toras de madeira

Unidade será alimentada com materiais como sobras de serrarias, galhos e toras de madeira


omega engenharia/divulgação/jc
Aguardada para iniciar as obras do projeto termelétrico Cambará, a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) emitiu na semana passada a licença de instalação (LI) para a construção de uma linha de transmissão de energia que ligará a usina que será implementada em Cambará do Sul até uma subestação em São Francisco de Paula. A linha terá uma tensão de 138 kV e mais de 40 quilômetros de extensão, enquanto a térmica é projetada para uma capacidade instalada de 50 MW (aproximadamente 1,5% da demanda de energia elétrica do Rio Grande do Sul).
Aguardada para iniciar as obras do projeto termelétrico Cambará, a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) emitiu na semana passada a licença de instalação (LI) para a construção de uma linha de transmissão de energia que ligará a usina que será implementada em Cambará do Sul até uma subestação em São Francisco de Paula. A linha terá uma tensão de 138 kV e mais de 40 quilômetros de extensão, enquanto a térmica é projetada para uma capacidade instalada de 50 MW (aproximadamente 1,5% da demanda de energia elétrica do Rio Grande do Sul).
Os dois empreendimentos juntos totalizarão um investimento de cerca de R$ 320 milhões. A usina, que venceu um leilão de energia promovido pelo governo federal em dezembro de 2017 para comercializar sua geração de energia, será alimentada com materiais como sobras de serrarias e reflorestamentos, galhos e toras de madeira. O diretor-executivo da Omega Engenharia, Carlos Eduardo Trois de Miranda, comenta que, após receber a licença de instalação da linha de transmissão, os próximos passos são resolver questões como fechar a formatação do financiamento do projeto e retomar os contatos com os fornecedores.
"Vamos estabelecer um cronograma novo para ver se começamos a obra ainda no primeiro semestre deste ano", salienta o executivo. Miranda destaca que o objetivo é acelerar o processo para tentar concluir a termelétrica dentro do prazo estabelecido para entregar sua geração, que é até janeiro de 2023. Apesar da licença da linha de transmissão ter sido obtida somente agora, o licenciamento da termelétrica já havia sido autorizado pela Fepam em 2019.
Comentários CORRIGIR TEXTO