Porto Alegre, sábado, 26 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

COMÉRCIO EXTERIOR

- Publicada em 15h59min, 26/12/2020.

China deve se tornar maior economia do mundo em 2028, diz centro de estudos

A perspectiva é de que o Produto Interno Bruto da China cresça 2,0% em 2020

A perspectiva é de que o Produto Interno Bruto da China cresça 2,0% em 2020


Mark Felix / AFP/JC
A pandemia de Covid-19 deve antecipar em cinco anos a data em que a China ultrapassará os Estados Unidos no total de riquezas produzidas e se tornará a maior economia do planeta. A previsão anterior era que a mudança no ranking ocorreria em 2033, mas agora deve acontecer em 2028, segundo estudo do britânico Centro de Pesquisa em Economia e Negócios (CEBR, na sigla em inglês) publicado neste sábado (26).
A pandemia de Covid-19 deve antecipar em cinco anos a data em que a China ultrapassará os Estados Unidos no total de riquezas produzidas e se tornará a maior economia do planeta. A previsão anterior era que a mudança no ranking ocorreria em 2033, mas agora deve acontecer em 2028, segundo estudo do britânico Centro de Pesquisa em Economia e Negócios (CEBR, na sigla em inglês) publicado neste sábado (26).
O relatório, que acompanha e faz projeções econômicas de 193 países, afirma que os países da Ásia, em especial os do Leste Asiático, foram mais bem-sucedidos ao lidar com a pandemia do que os europeus e os americanos. No total, o CEBR calcula que a pandemia fará a economia global recuar US$ 6 trilhões na comparação com 2019.
Segundo o documento, a perspectiva é de que o Produto Interno Bruto (PIB) da China cresça 2,0% em 2020, enquanto o PIB dos EUA deve recuar 5,0%. Globalmente, a projeção é que retração de pelo menos 4,0%.
Brasil
No trecho em que analisa a situação econômica do Brasil, o CEBR estima que o PIB do País caia 5,0% neste ano e cresça 3,3% em 2021. Atualmente, o centro de estudos coloca o Brasil na 12ª posição entre as maiores economias, e estima que o País chegará ao 9º posto somente em 2035.
O relatório diz que o Brasil passa por "consideráveis instabilidades políticas e econômicas desde uma profunda recessão, em 2016" e analisa que a economia brasileira entra em 2021 em situação frágil e com limitado espaço fiscal.
O texto também afirma que o mercado de trabalho brasileiro "nunca se recuperou da recessão entre 2015 e 2016, e a pandemia de 2020 só tornou a situação ainda pior".
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO