Porto Alegre, sexta-feira, 11 de dezembro de 2020.
Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 11 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Consumo

- Publicada em 10h33min, 11/12/2020.

Quase 60% dos consumidores das classes C e D vão comprar presentes de Natal, aponta pesquisa

Das pessoas que deverão consumir, 23% disseram que devem gastar entre R$ 100,00 e R$ 300,00

Das pessoas que deverão consumir, 23% disseram que devem gastar entre R$ 100,00 e R$ 300,00


PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC
Mais da metade dos brasileiros das classes C e D (58%) vão comprar presentes de Natal este ano. É o que indica pesquisa realizada pela Superdigital, fintech do Grupo Santander com foco em inclusão financeira, realizada com 1.045 pessoas, de todas as regiões do País, entre os dias 4 e 5 de dezembro. 
Mais da metade dos brasileiros das classes C e D (58%) vão comprar presentes de Natal este ano. É o que indica pesquisa realizada pela Superdigital, fintech do Grupo Santander com foco em inclusão financeira, realizada com 1.045 pessoas, de todas as regiões do País, entre os dias 4 e 5 de dezembro. 
Das pessoas que deverão consumir, 23% disseram que devem gastar entre R$ 100,00 e R$ 300,00. Outros 18% afirmaram que vão gastar até R$ 100,00 no máximo, enquanto que 7% apontaram compras acima de R$ 500,00.
A pesquisa também mostrou que 53% dos brasileiros dessas classes sociais pretendem usar o 13° salário para quitar dívidas atrasadas. Os demais entrevistados vão poupar o dinheiro (27%), farão compras de Natal (14%) e vão viajar (3%). Apenas 2% já utilizou o salário na Black Friday.
A pesquisa também avaliou o grau de otimismo dos brasileiros das classes C e D com relação ao ano que vem. Dos que responderam, 76% acham que será melhor sobre 2020, contra 9%, que afirmaram que será pior.
Contudo, quando a confiança está relacionada ao emprego, os números mudam um pouco. A maioria (40%) disse que será igual, enquanto que 36% acham que será pior.
De acordo com Luciana Godoy, CEO da Superdigital no Brasil, os números refletem um ano complicado para a economia e para a confiança dos consumidores. “Desde o início da pandemia, percebemos que as pessoas adotaram uma postura mais conservadora, o que se confirma com o retorno da pesquisa, que aponta que a maioria pretende utilizar o 13° salário para pagar dívidas. Iniciar o novo ano com mais segurança é muito importante para população. Em contrapartida, percebemos que há uma percepção muito clara nos consumidores das classes C e D que 2021 será um ano melhor. As pessoas começam a acreditar que as coisas estão voltando ao normal”, aponta a executiva.
Comentários CORRIGIR TEXTO