Porto Alegre, quinta-feira, 10 de dezembro de 2020.
Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 10 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h06min, 10/12/2020.

Bolsas da Europa fecham mistas, com NY e Brexit pesando ante decisão do BCE

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,45%, em 393,14 pontos

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,45%, em 393,14 pontos


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As bolsas europeias encerraram o pregão desta quinta-feira (10) sem direção única. A ampliação de compra de bônus por parte do Banco Central Europeu (BCE) deu algum fôlego aos negócios, mas o impasse do Brexit e a tendência baixista vinda de Nova York induziram à realização de lucros em algumas praças.
As bolsas europeias encerraram o pregão desta quinta-feira (10) sem direção única. A ampliação de compra de bônus por parte do Banco Central Europeu (BCE) deu algum fôlego aos negócios, mas o impasse do Brexit e a tendência baixista vinda de Nova York induziram à realização de lucros em algumas praças.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,45%, em 393,14 pontos.
Os ganhos foram impulsionados pela decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que manteve os juros, mas ampliou suas compras de bônus. O discurso da presidente do BCE, Christine Lagarde, em seguida à decisão, soou "menos alarmista", na avaliação de riscos, segundo o ING.
Também favoreceu os ganhos a alta do preço do petróleo - com o Brent acima dos US$ 50,00 o barril pela primeira vez desde o início da pandemia - o que impulsionou as ações de petroleiras.
Em Londres, o índice FTSE 100 fechou em alta de 0,54%, aos 6.599,76 pontos. O crescimento teve sustentação na alta, principalmente das petroleiras. A British Petrol cresceu 4,46% no dia e a Royal Dutch Shell subiu 3,94% nas ações classe A e 3,78% nas de classe B.
Na França, o índice CAC 40 também fechou em alta, de 0,05%, nos 5.549,65 pontos. Tiveram destaque positivo a telefônica Orange (+0,98%) e a petroquímica Total (+2,09%), e, negativo os bancos Société Générale (-3,25%), BNP Paribas (-2,44%) e Crédit Agricole (-0,91%).
Pelo lado negativo, contribui para a piora dos índices o reflexo do mercado acionário norte-americano. Por lá, investidores foram surpreendidos com o número, acima do esperado, nos pedidos semanais de auxílio-desemprego.
O Brexit segue causando algum desconforto. A decisão sobre um acordo deve ser comunicada no fim de semana. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, se reuniram na quarta-feira para tentar dirimir o impasse das negociações por um acordo comercial para o período subsequente a saída do Reino Unido da União Europeia que será oficializada em 1 de janeiro de 2021. Segundo Vonder Leyen, apesar da aproximação, ambos os lados ainda têm posicionamentos distantes.
Tudo somado, o índice DAX, de Frankfurt, fechou em queda de 0,18% aos 13.316 pontos. Puxaram o índice para baixo as montadoras Volkswagen (-1,95%) e BMW (-2,16%), bem como o banco Deutsche (-2,11%).
Na bolsa de Milão, o FTSE MIB fechou em baixa de 0,25%, aos 21.915,51 pontos.
Na bolsa de Lisboa, o índice PSI 20 terminou o dia com alta de 0,43%, aos 4.795,47 pontos.
Em Madrid, o Ibex 35 teve queda de 0,52%, aos 8.192,10 pontos. O movimento negativo foi impulsionado pela queda de bancos como o Sabadell (-3,41%), Bankinter (-3,26%), Santander (-2,84%) e o Bilbao Vizcaya Argentaria (-2,43%).
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO