Porto Alegre, quinta-feira, 10 de dezembro de 2020.
Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 10 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 09h54min, 10/12/2020. Atualizada em 10h25min, 10/12/2020.

Varejo cresce 0,9% em outubro, sexta alta consecutiva do setor, diz IBGE

Vendas do comércio varejista ampliado acumularam queda de 2,6% no ano

Vendas do comércio varejista ampliado acumularam queda de 2,6% no ano


ALEX ROCHA/pmpa/DIVULGAÇÃO/JC
As vendas do varejo continuaram em alta e cresceram 0,9% em outubro, ficando agora 8% acima do patamar pré-pandemia, divulgou nesta quinta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a sexta variação positiva seguida do varejo desde maio. Na comparação com outubro do ano passado, o crescimento foi de 8,3%, a maior taxa desde 2012.
As vendas do varejo continuaram em alta e cresceram 0,9% em outubro, ficando agora 8% acima do patamar pré-pandemia, divulgou nesta quinta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a sexta variação positiva seguida do varejo desde maio. Na comparação com outubro do ano passado, o crescimento foi de 8,3%, a maior taxa desde 2012.
De acordo com Cristiano Santos, gerente da pesquisa, o resultado de outubro mostra um repique para cima do comércio brasileiro, pois superou a alta de setembro (0,6%). "No mínimo, mostra um fôlego da economia num patamar que já estava alto", disse Santos. Até então, o varejo vinha em trajetória de crescimento, mas em ritmo de desaceleração, após quedas expressivas em março e abril.
O crescimento desde o período pré-pandemia também foi desigual, com alguns setores mostrando recuperação mais acentuada, como móveis e eletrodomésticos (19,0% acima de fevereiro), outros artigos de uso pessoal e doméstico (13,3%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (9,6%). O setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (6,1%) foi outro que cresceu bastante no período.
Por outro lado, os outros quatro ramos de atividade tiveram queda nessa análise de comparação: livros, jornais, revistas e papelaria (-33,7%), combustíveis e lubrificantes (-4,7%), tecidos, vestuário e calçados (-4,6%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,1%). O maior crescimento foi de material de construção (21,5%) enquanto o menor, depois de livros, ficou com veículos, motos, partes e peças (-5,2%), segundo o analista da pesquisa.
"As atividades de Material de construção e Móveis e eletrodomésticos tiveram o impacto do componente renda, com o auxílio emergencial, que propiciou às famílias realizarem pequenas reformas e substituírem itens para a casa", explicou o analista da pesquisa. Em outubro, sete das oito atividades pesquisadas tiveram alta. A maior delas foi em tecidos, vestuários e calçados (6,6%). Apenas móveis e eletrodomésticos recuou (-1,1%).
Por região, o varejo manteve o crescimento em 22 das 27 unidades da federação na comparação com setembro. Os maiores registros foram na Bahia (3,5%), Piauí (3,1%) e Mato Grosso do Sul (2,9%). Já os destaques negativos ficaram por conta de Tocantins (-5,4%), Roraima (-2,2%) e Pará (-0,7).
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO