Porto Alegre, terça-feira, 24 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 24 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

contas públicas

- Publicada em 11h02min, 24/11/2020.

Arrecadação em outubro soma R$ 153,938 bilhões, diz Receita

Resultado representa um aumento real de 9,56% na comparação com o mesmo mês de 2019

Resultado representa um aumento real de 9,56% na comparação com o mesmo mês de 2019


MARCELLO CASAL JR/ABR/JC
A arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 153,938 bilhões em outubro, o melhor resultado para o mês desde 2014. Com a retomada da atividade econômica e o pagamento de tributos adiados pela Receita Federal nos piores meses da crise da pandemia de Covid-19, o resultado representa um aumento real (descontada a inflação) de 9,56% na comparação com o mesmo mês de 2019.
A arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 153,938 bilhões em outubro, o melhor resultado para o mês desde 2014. Com a retomada da atividade econômica e o pagamento de tributos adiados pela Receita Federal nos piores meses da crise da pandemia de Covid-19, o resultado representa um aumento real (descontada a inflação) de 9,56% na comparação com o mesmo mês de 2019.
Em relação a setembro deste ano, houve aumento de 27,37% no recolhimento de impostos. Uma parcela dessa diferença corresponde ao retorno da cobrança de tributos federais - PIS/Cofins e da contribuição patronal para a previdência - que foi adiada (ou diferida, no jargão do Fisco) para suavizar o fluxo de caixa das empresas afetadas pelo novo coronavírus. Em agosto os contribuintes quitaram pagamentos adiados de abril, tiveram um respiro em setembro e, em outubro, foi a vez dos pagamentos adiados referentes a maio.
O valor arrecadado no mês passado foi o maior para meses de outubro desde 2016, quando a arrecadação no décimo mês do ano foi de R$ 170,255 bilhões. O resultado das receitas veio dentro do intervalo de expectativas das instituições ouvidas pelo Estadão, que ia de R$ 130,30 bilhões a R$ 154,30 bilhões, com mediana de R$ 149,34 bilhões.
De acordo com a Receita Federal, o comportamento da arrecadação de outubro decorre do comportamento das principais variáveis macroeconômicas no mês e de uma alta real de 17,97% na arrecadação do Imposto de Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o lucro Líquido (CSLL). Por outro lado, as compensações tributárias continuaram em alta, com aumento de 87,8% em relação a outubro do ano passado.
No acumulado do ano até outubro, a arrecadação federal somou R$ 1,180 trilhão, o menor volume para o período desde 2010, quando as receitas somaram R$ 1,164 trilhão no período. Devido aos impactos da pandemia de Covid-19 no primeiro semestre, o montante ainda representa um recuo real de 9,45% na comparação com os primeiros dez meses de 2019.
Desonerações
As desonerações concedidas pelo governo resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 74,059 bilhões entre janeiro e outubro deste ano, valor maior do que em igual período do ano passado, quando ficaram em R$ 56,662 bilhões. Apenas no mês de outubro, as desonerações totalizaram R$ 10,807 bilhões, também acima registrado em outubro do ano passado (R$ 7,957 bilhões).
Um fator que impacta as desonerações neste ano é a suspensão da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que incide sobre operações de crédito por 270 dias. A medida foi anunciada no começo de abril por 90 dias e renovada por novos períodos de 90 dias em julho e outubro - até o dia 31 de dezembro.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO