Porto Alegre, segunda-feira, 16 de novembro de 2020.
Dia Internacional da Tolerância.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 16 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Sistema Financeiro

- Publicada em 03h00min, 16/11/2020. Atualizada em 10h34min, 16/11/2020.

Pix começa a valer, mas classes C, D e E não confiam no sistema

Mais de 700 instituições, entre bancos, financeiras e fintechs, estão autorizadas a operar o serviço

Mais de 700 instituições, entre bancos, financeiras e fintechs, estão autorizadas a operar o serviço


BANCO CENTRAL/DIVULGAÇÃO/JC
O Pix, sistema de pagamentos e transferências eletrônicas do Banco Central (BC), já é para valer. A fase de testes acabou e a partir desta segunda-feira (16) está disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, para transações instantâneas. Mais de 700 instituições, entre bancos, financeiras e fintechs, estão autorizadas a oferecer o serviço.
O Pix, sistema de pagamentos e transferências eletrônicas do Banco Central (BC), já é para valer. A fase de testes acabou e a partir desta segunda-feira (16) está disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, para transações instantâneas. Mais de 700 instituições, entre bancos, financeiras e fintechs, estão autorizadas a oferecer o serviço.
No entanto, o sistema tem um desafio pela frente: convencer as classes C, D e E a usarem o serviço. Uma pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV) que esses consumidores são os que menos confiam na ferramenta - e os que mais se queixam da falta de informação sobre como usá-la. Embora nove em cada 10 deles já tenham ouvido falar do sistema, 47,5% talvez não o usem por falta de informações.
"O BC tem divulgado o Pix pelos cotovelos, mas, muitas vezes, essa informação não chega de forma eficiente a quem não está acostumado a fazer essas operações", avalia Adrian Cernev, professor da FGV e um dos autores do estudo.

Informações sobre o PIX

O que é o PIX?

O PIX é a solução de pagamento instantâneo, criada e gerida pelo Banco Central do Brasil (BC), que proporciona a realização de transferências e de pagamentos.

Quem pode fazer o PIX?

Qualquer pessoa física ou jurídica que possua uma conta transacional (conta corrente, conta de depósito de poupança ou conta de pagamento pré-paga) em um prestador de serviço de pagamento (instituições financeiras ou de pagamento - como fintechs) participante do PIX.

É preciso ter conta corrente em banco para ter o PIX?

Não necessariamente. Você precisará possuir uma conta em um prestador de serviços de pagamento participante do PIX. Essa conta pode ser uma conta corrente, uma de poupança ou uma de pagamento pré-paga. O PIX não está restrito a bancos.

Como eu faço um PIX?

Para realizar um pagamento via PIX, você pode:

ler um QR Code com a câmera do seu smartphone, na opção de fazer um PIX no aplicativo da sua instituição financeira ou de pagamento; ou

informar uma chave PIX, que pode ser CPF/CNPJ, e-mail ou telefone celular do recebedor, por meio da opção disponibilizada por sua instituição financeira ou de pagamento no aplicativo instalado em seu smartphone.

Há a opção de digitar manualmente os dados da conta transacional do usuário recebedor, como ocorre hoje para iniciar uma TED ou DOC.

Só posso fazer um PIX se tiver um aparelho celular?

Não necessariamente. O PIX poderá ser disponibilizado pelas instituições participantes em diversos canais de acesso. O telefone celular, desde que seja um smartphone, é um deles. Outros possíveis canais são: internet banking e presencialmente em agências, caixas eletrônicos ou correspondentes bancários, como lotéricas, por exemplo.

Se eu não tiver acesso à internet, é possível fazer um PIX?

Em um primeiro momento, você somente poderá fazer um PIX se estiver conectado à internet. Há, no entanto, previsão de disponibilização de uma forma de pagamento off-line para 2021.

Fonte: Banco Central do Brasil

Comentários CORRIGIR TEXTO