Porto Alegre, sexta-feira, 13 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 13 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Balanço

- Publicada em 03h00min, 13/11/2020.

Fras-le retoma vendas em alta no terceiro trimestre

Desempenho trimestral da empresa é o melhor dos últimos 10 anos

Desempenho trimestral da empresa é o melhor dos últimos 10 anos


/JÚLIO SOARES /DIVULGAÇÃO/JC
Roberto Hunoff, de Caxias do Sul
A Fras-le, controlada das Empresas Randon, reverteu no terceiro trimestre os resultados negativos do período anterior, alcançando resultados históricos. A receita líquida cresceu 36% sobre o mesmo período do ano passado, totalizando R$ 453,6 milhões, e a bruta, 35%, para R$ 647 milhões. A companhia gerou Ebitda de R$ 94,2 milhões, aumento de 118%, e fechou o período com lucro líquido de R$ 41,7 milhões, incremento próximo a 250%. De acordo com a diretoria, o desempenho trimestral é o melhor dos últimos 10 anos da empresa.
A Fras-le, controlada das Empresas Randon, reverteu no terceiro trimestre os resultados negativos do período anterior, alcançando resultados históricos. A receita líquida cresceu 36% sobre o mesmo período do ano passado, totalizando R$ 453,6 milhões, e a bruta, 35%, para R$ 647 milhões. A companhia gerou Ebitda de R$ 94,2 milhões, aumento de 118%, e fechou o período com lucro líquido de R$ 41,7 milhões, incremento próximo a 250%. De acordo com a diretoria, o desempenho trimestral é o melhor dos últimos 10 anos da empresa.
A performance é atribuída, principalmente, à implementação da estratégia desenvolvida para gerar ainda mais competitividade ao negócio, focada na expansão das receitas e oferta de produtos, por meio de aquisições, e pelo processo de adequações que a empresa vem passando desde o final de 2018, que incluiu uma série de ações, como investimento em tecnologia, readequação de linhas, alterações de processos para ganho de produtividade e reduções de custos. "Esses movimentos foram fundamentais para os resultados deste trimestre e contribuíram para o fortalecimento da atuação nos mercados interno e externo. Mesmo com os desafios da pandemia da covid-19, conseguimos evoluir nos indicadores de receitas e de rentabilidade", salientou o CEO Sergio L. Carvalho. Na composição da receita do trimestre já há reflexos da aquisição da Nakata, com a consolidação de valores a partir de setembro.
O desempenho foi fortemente influenciado pela retomada na reposição de itens para veículos leves, movimento justificado pela mudança de hábito do consumidor, que passou a priorizar o transporte particular e deu preferência a viagens curtas rodoviárias em lugar de usar o modal aéreo, o que gerou aumento de necessidade de peças para manutenção. Adicionalmente, a diretoria cita a melhora do mercado externo, principalmente em razão da abertura gradual das fronteiras, recomposição de estoques dos clientes e taxa de câmbio favorável. Somado a isto, o mercado estava desabastecido e alguns distribuidores iniciaram a recomposição dos estoques a níveis normais.
Mesmo com o resultado histórico, a empresa mantém otimismo moderado para a recuperação econômica. "Sabemos que teremos alguns pontos de atenção para os próximos meses, como a inflação que vem sendo observada em alguns indicadores e a dificuldade para a aquisição de matérias-primas", destaca o diretor de Relações com Investidores, Hemerson de Souza. No acumulado de nove meses, a empresa acumula receitas bruta de R$ 1,539 bilhão e líquida de R$ 1,075 bilhão, incrementos de 6,6% e 8,1% em relação ao mesmo período de 2019.
Comentários CORRIGIR TEXTO