Porto Alegre, segunda-feira, 02 de novembro de 2020.
Dia de Finados.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 02 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 12h27min, 02/11/2020. Atualizada em 14h25min, 02/11/2020.

Para analistas, vitória de Joe Biden isolaria o Brasil

Política de Bolsonaro alinhada a Trump pode ser prejudicial em caso de derrota do norte-americano

Política de Bolsonaro alinhada a Trump pode ser prejudicial em caso de derrota do norte-americano


JIM WATSON/AFP/JC
Com o governo de Jair Bolsonaro alinhado à figura de Donald Trump, uma vitória de Joe Biden pode prejudicar a inserção internacional do Brasil, apontam analistas.
Com o governo de Jair Bolsonaro alinhado à figura de Donald Trump, uma vitória de Joe Biden pode prejudicar a inserção internacional do Brasil, apontam analistas.
 
Para o pesquisador Roberto Menezes, da Universidade de Brasília, caso a vitória democrata se confirme, "o governo brasileiro teria de fazer um esforço dobrado para conseguir menos coisas e tendo que ceder ainda mais". Hoje, os EUA são o segundo maior parceiro comercial do Brasil, atrás apenas da China.
Menezes relembra acenos que Bolsonaro fez à gestão Trump, como quando o presidente anunciou a possibilidade de ceder espaço para instalação de uma base militar americana no Brasil. "Essa posição de se alinhar a Trump debilitou muito o Brasil. O País não é visto por seus vizinhos como um interlocutor que vale a pena", sustenta. "Nesse sentido, poderia se falar em isolamento".
Professora de relações internacionais da ESPM, Denilde Holzhacker aponta também que a posição do governo brasileiro de antagonizar com lideranças regionais faz com que o Brasil perca ainda mais espaço. "É uma situação que o Brasil, se não flexibilizar sua visão e estabelecer canais de diálogo, vai ficar isolado tanto no âmbito europeu quanto na América Latina."
O diplomata Rubens Ricupero, que foi embaixador em Washington, segue a mesma linha. "A visão do Brasil do mundo é muito alinhada à extrema direita americana. Se essa extrema direita perder o poder, vai sobrar muito pouco no mundo em termos de países semelhantes à visão que (o chanceler) Ernesto Araújo tem." Para ele, "o Brasil vai ficar extremamente isolado em sua visão de mundo".
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO