Porto Alegre, sexta-feira, 16 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 16 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 18h20min, 16/10/2020.

Bolsa de São Paulo fecha na mínima do dia, em baixa de 0,75%, mas avança 0,85% na semana

O Ibovespa mostrava perda de 0,75%, aos 98.309,12 pontos

O Ibovespa mostrava perda de 0,75%, aos 98.309,12 pontos


ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/FOLHAPRESS/JC
O Ibovespa perdeu a carona do dia majoritariamente positivo na Europa e em Nova York, onde dados favoráveis sobre o varejo e a confiança do consumidor americano contribuíram para que Wall Street interrompesse perdas que haviam se estendido por três sessões. Na B3, mesmo com o estrangeiro de volta às compras neste mês até o dia (14) prevaleceram temores sobre a situação fiscal, que desperta a atenção do mercado para os vencimentos do Tesouro no primeiro quadrimestre de 2021 - a percepção começa a ser de que o BC precisará elevar os juros para atrair interesse ao financiamento da dívida.
O Ibovespa perdeu a carona do dia majoritariamente positivo na Europa e em Nova York, onde dados favoráveis sobre o varejo e a confiança do consumidor americano contribuíram para que Wall Street interrompesse perdas que haviam se estendido por três sessões. Na B3, mesmo com o estrangeiro de volta às compras neste mês até o dia (14) prevaleceram temores sobre a situação fiscal, que desperta a atenção do mercado para os vencimentos do Tesouro no primeiro quadrimestre de 2021 - a percepção começa a ser de que o BC precisará elevar os juros para atrair interesse ao financiamento da dívida.
Ao fim, o Ibovespa mostrava perda de 0,75%, aos 98.309,12 pontos, na mínima da sessão, saindo de máxima a 99.171,96, com abertura a 99.054,06 pontos. Na semana, o ganho ficou limitado a 0,85%, ainda assim o segundo semanal consecutivo, colocando o avanço acumulado em outubro a 3,92% nesta virada para a segunda quinzena do mês, após perdas de 4,80% em setembro e de 3,44% ao longo de agosto. O giro financeiro desta sexta-feira foi de R$ 22,5 bilhões.
"Seria interessante se o Copom, na próxima reunião, desse sinal sobre a possibilidade de aumento da Selic, apesar da tranquilidade que tem mostrado sobre a inflação. A sinalização contribuiria para acalmar o mercado e melhorar as condições para os vencimentos do primeiro trimestre, de R$ 640 bilhões. A taxa de juros para janeiro de 2022 estava hoje em 3,4% ou 3,5%. Esta Selic a 2% não está servindo para muita coisa", diz Marcelo Serrano, sócio-gestor da União Investimentos. "O mercado tem exigido prazos mais curtos e taxas maiores do governo, que tem sido obrigado a pagar mais, inclusive nas prefixadas."
Nesta sexta-feira na B3, a reação positiva ao balanço da CSN (+0,41% no fechamento), na inauguração da temporada do terceiro trimestre, colocou o setor de siderurgia entre os destaques pelo segundo dia (Usiminas +4,33%), mais uma vez em contraponto ao desempenho ruim de commodities (Petrobras ON -2,48%, PN -2,13%) e de bancos (Santander -3,12% e Bradesco ON -2,66%). Na ponta do Ibovespa, Braskem subiu hoje 5,58%, seguida por Suzano (+4,61%) e Usiminas. No lado oposto, Cogna caiu 4,17%, à frente de Yduqs (-3,30%) e Santander.
"O fiscal é o nosso principal problema e tem sido acompanhado com lupa pelo investidor doméstico, que hoje tem participação muito maior no financiamento da dívida, e pelo estrangeiro. O tempo corre contra a situação fiscal e, se não resolver, a dívida vai pra 100% do PIB. É um cenário que tem se deteriorado gradativamente", diz Mauro Morelli, estrategista da Davos Investimentos, chamando atenção para a inflação que, mesmo sem ter decolado de forma preocupante, traz um "desconforto no descasamento entre IGP-M e IPCA". "O próximo movimento do BC sobre a Selic tende a ser de alta, não neste ano, mas provavelmente no segundo semestre (de 2021), talvez mesmo antes, no segundo trimestre", acrescenta.
A perspectiva de Morelli, contudo, é positiva para o Ibovespa, que pode vir a atingir os 110 mil pontos em horizonte de três a seis meses, em movimento acompanhado por volatilidade. Nas próximas semanas, fatores de risco externos, como a segunda onda de Covid-19 na Europa e especialmente o desenlace da eleição americana, continuarão a exigir atenção e cautela. "Saímos dos 94 mil para os 98, 99 mil, mas tem faltado força. No início da semana, S&P 500 e Nasdaq estavam perto do topo, com o Ibovespa abaixo dos 100 mil pontos", acrescenta. "Há um pequeno aumento de aversão aos emergentes como um todo, não só com o Brasil."
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO