Porto Alegre, sexta-feira, 16 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 16 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 08h12min, 16/10/2020.

Bolsas da Ásia fecham mistas, com cautela por Covid-19 e impasse fiscal nos EUA

Segunda onda que se alastra na Europa impacta investimentos e gera incertezas

Segunda onda que se alastra na Europa impacta investimentos e gera incertezas


Camila Surian/Arte/JC
As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta sexta-feira (16) com investidores ainda se mostrando cautelosos em meio à disseminação do novo coronavírus e incertezas sobre um novo pacote fiscal nos EUA. Na China continental, o índice Xangai Composto teve modesto ganho de 0,13%, a 3.336,36 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,39%, a 2.265,43 pontos.
As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta sexta-feira (16) com investidores ainda se mostrando cautelosos em meio à disseminação do novo coronavírus e incertezas sobre um novo pacote fiscal nos EUA. Na China continental, o índice Xangai Composto teve modesto ganho de 0,13%, a 3.336,36 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,39%, a 2.265,43 pontos.
Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei caiu 0,41% em Tóquio, a 23.410,63 pontos, o sul-coreano Kospi cedeu 0,83% em Seul, a 2.341,43 pontos, e o Taiex registrou baixa de 0,60% em Taiwan, a 12.750,37 pontos, mas o Hang Seng avançou 0,94% em Hong Kong, a 24.386,79 pontos. Na quinta-feira, os mercados acionários de Nova Iorque ficaram no vermelho pelo terceiro dia seguido, mas as perdas foram contidas pelo bom desempenho de ações do setor bancário.
Ao longo da semana, os negócios na Ásia e em outras partes do mundo foram prejudicados pelo aumento de casos de infecção por Covid-19, principalmente na Europa e nos EUA, e por dúvidas sobre a capacidade do governo americano de chegar a um acordo sobre novos estímulos fiscais com a oposição democrata.
Nos últimos dias, Reino Unido, França, Portugal e outros países europeus retomaram medidas de restrição, numa nova tentativa de conter a propagação da doença. Já o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse, em mais de uma ocasião, que será difícil garantir um acordo fiscal antes da eleição presidencial de 3 de novembro. Na Oceania, a bolsa australiana encerrou a sessão em baixa, com queda de 0,54% do S&P/ASX 200 em Sydney, a 6.176,80 pontos.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO