Porto Alegre, terça-feira, 06 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 06 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

infraestrutura

- Publicada em 21h35min, 05/10/2020.

Ipiranga terá energia solar em 50 postos do Rio Grande do Sul

Eletricidade será injetada na rede da concessionária local

Eletricidade será injetada na rede da concessionária local


/Matias Kraemmer/Divulgação/JC
Jefferson Klein
Cada vez mais companhias que tiveram seus crescimentos diretamente relacionados aos combustíveis fósseis buscam tomar também o caminho das fontes renováveis. Uma dessas empresas é a Ipiranga, que pretende disponibilizar, a partir do segundo trimestre de 2021, geração de energia solar para pelo menos 50 postos (com franquias AmPm e Jet Oil) no Rio Grande do Sul, somando 300 estabelecimentos em todo o País.
Cada vez mais companhias que tiveram seus crescimentos diretamente relacionados aos combustíveis fósseis buscam tomar também o caminho das fontes renováveis. Uma dessas empresas é a Ipiranga, que pretende disponibilizar, a partir do segundo trimestre de 2021, geração de energia solar para pelo menos 50 postos (com franquias AmPm e Jet Oil) no Rio Grande do Sul, somando 300 estabelecimentos em todo o País.
Além dos revendedores gaúchos, serão contemplados pela ação postos localizados em São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro e Ceará. As usinas solares que atenderão às demandas desses estabelecimentos deverão gerar mais de 51 mil MWh ao ano e serão instaladas em cada um dos cinco estados que receberão o projeto de forma centralizada (ou seja, não serão implementadas em cada posto, mas em um único local). Depois de concluídas as plantas de energia solar, a eletricidade produzida será injetada na rede da concessionária e compensada nas contas de luz dos revendedores.
Ainda não se tem uma definição do município em que ficará situada a usina no Rio Grande do Sul, entretanto já foi determinado que será dentro da área de concessão da CEEE-D (que atende a 72 cidades das regiões Metropolitana de Porto Alegre, Sul, Centro-Sul, Litoral Sul e Litoral Norte do Estado). O projeto será colocado em prática em parceria com a GDSolar, que cuidará da construção, operação e manutenção dos complexos fotovoltaicos. A Ipiranga não revela o investimento que será desembolsado no empreendimento.
A energia elétrica fornecida pelas usinas deverá economizar até 15% no gasto dos postos com esse insumo, atingindo uma economia acumulada de R$ 74 milhões na rede participante durante todo o projeto, o que corresponde a um prazo de aproximadamente dez anos. Conforme a Ipiranga, não haverá custo para os revendedores aderirem à iniciativa. A habilitação será por meio de manifestação de interesse e análise de perfil de consumo de energia.
"Esse projeto é inovação e sustentabilidade, lado a lado, entregando mais um diferencial competitivo que, por meio da geração de energia renovável, oferece mais perenidade ao negócio", enfatiza o presidente da Ipiranga, Marcelo Araujo. Atualmente, o grupo comercializa combustíveis para mais de 7 mil postos no País, tem cerca de 2,3 mil unidades da rede de lojas de conveniência AmPm e em torno de 1,4 mil pontos Jet Oil (unidade de serviços automotivos e troca de óleo).
Comentários CORRIGIR TEXTO